Memória estudantil : Parte 01

Por Daniel Rocha.

No ano de 2003 o planeta Marte atingiu o ponto mais próximo da terra. No Brasil era grande número de jovens desempregados que aguardavam as melhoras prometidas pelo presidente Lula. Dentre estes Lidiane Anunciação e seus amigos, que cursavam o pré-vestibular ofertado pela secretaria municipal de educação de Teixeira de Freitas.

Na cidade não havia  muitas opções de cursos  técnicos  ou superior. A UNEB – Universidade do Estado da Bahia, foi a única da cidade até o ano 2002, quando foi inaugurada a FACTEF,  hoje Faculdade Pitágoras. Em 2002, a prefeitura municipal no comando do prefeito Wagner Mendonça ofertou a população o cursinho pré-vestibular “Desafio” no prédio da antiga Cesta do povo.No presente  funciona a escola Vila Vargas no local.

Em 2002, a prefeitura municipal no comando do prefeito Wagner Mendonça ofertou a população o cursinho pré-vestibular “Desafio” no prédio da antiga Cesta do povo. No presente  funciona a escola Vila Vargas.

Antes desta iniciativa a universidade Estadual da Bahia, UNEB, foi a única a ofertar um curso pré-vestibular gratuito aberto a comunidade, com o nome  bem apropriado de o Funil. De acordo com  Lidiane Anunciação, estudante do pré-vestibular municipal , tanto ela como os colegas estavam desempregados e pretendiam disputar uma vaga na universidade estadual da Bahia.

 Durante a campanha do candidato Luiz Inácio Lula da Silva em 2002,  um estudante discursando ” que tudo era uma questão de oportunidade”, havia tocado forte os corações sonhadores ,recorda Lidiane que junto com os amigos esperava com ansiedade os investimentos prometidos.

Um ano depois foi criado o programa universidade para todos – PROUNI, que possibilitou ela os outros trilhar o caminho desejado. Como é comum na rotina adolescente, havia muitas paixões e namoricos, estes eram embalados pelo som romântico de cantores nacionais como o Leonardo, que naquele ano estava no topo das paradas com a música, Só sei que te amo demais.

O Sucesso tremendo ainda ficou mais afinado com o show do cantor no espaço Suco de Pimenta em 14/06/03, data que recorda graças ao seu diário que registra, “Uma noite fria, sem chuva, eu e meu amor curtimos Leonardo, show muito massa”.

Para ela ir ao curso era algo muito prazeroso, porque lá era possível estudar  e conhecer pessoas divertidas  na sala de aula,  nos intervalos e  nos  grupos de estudo. Também passeava pelo centro da cidade com as colegas na volta para casa ou  “quando não havia aula.”

Para ter assunto a turma ouvia o programa de rádio do Moreau Nunes, que ao seu estilo, entre uma música e outra, divulgava a previsão diária de cada signo. Tinha também o hábito de comprar revistas astrológicas, para se divertir comparando as previsões e os acontecimentos cotidianos. Saudosa com o diário em mãos, retirado do abandono em uma gaveta no quarto, mostra outra interessante anotação:

 “Quando aquela estrela brilhante (Marte) apontou no céu no dia 26 agosto, estava indo para o curso que iniciava às 19h, íamos observando e pensando o quanto iria demorar em contemplar o espetáculo novamente, acho que nunca mais. Por conta disto matamos aula e ficamos no pátio da escola, de lá migramos para a Praça da Bíblia, celebramos com nossas incertezas um fenômeno único que a maioria das pessoas nem deu importância”.

Veja também:

O futebol em Teixeira de Freitas. Parte 01

Comidas típicas  parte 01.

One thought on “Memória estudantil : Parte 01”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *