DESVELAMENTO

Concebido em meio angústia e desvarios

Martelo insistente o pensamento

Míngua a calmaria duramente conquistada

Na espera ociosa do desvelamento.

Dou-te então ao vento

Pra que meu pensar receba alento

Ponho-te com firmeza no papel

Pra reaver meu silêncio.

 Vá-se, pois, agora então

Perder-se numa leitura qualquer

Viúva de meus sentimentos

Desnuda do meu bem te quer.

Cássia Diaz Oz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *