A PRAINHA NO RIO ITANHÉM

 
Por Daniel Rocha  Na década de 1960, agricultores vindos de outras regiões da Bahia e do país adquiriram terras no povoado de Teixeira de Freitas, próximas ao Rio Itanhém, hoje bairro Colina Verde, para investir em agricultura e pecuária.
 
Conforme as memórias do morador Santos Almeida, 65 anos, ao adquirir as terras na região norte da cidade, os migrantes criaram dificuldades aos trabalhadores habituados a transitar e acessar o Rio Itanhém para pesca e banho.
 
“Tem um morador conhecido na cidade que tem a fama ruim até hoje por causa disso, o vaqueiro dele perseguia quem passava a cerca da fazenda para pescar no rio, ele tomava a rede do pessoal não deixava ninguém pescar”, conta Santos.
 
A mineira  Rodrigues Aguiar, que chegou no povoado na década de 1960, confirma a versão contada sobre os capangas dos grandes proprietários que proibiam, de fato, o acesso de alguns trabalhadores ao rio.
 
“Batia nos moradores que ultrapassavam a cerca da propriedade. Além do ato de violência deixava sem roupa os flagrados tomando banho no rio. Estes com medo de apanhar fugiam para a mata. Ficavam escondidos até a noite cair e depois voltar com segurança para a casa.”
 
Já o morador Matos  Silva, 66 anos, discorda dessas versões. Segundo ouviu dizer, os proprietários pediam para que os visitantes evitassem retirar frutos de plantações e deixar a cerca aberta para não causar a fuga de animais. Como os pedidos não foram atendidos os proprietários tomaram outras providências como proibir o acesso as margens do rio.
 
Diante dessa dificuldade de acesso à margem esquerda do Rio Itanhém, onde atualmente está o bairro Colina Verde, supõem-se que os frequentadores, obrigados pelas circunstâncias, foram procurar locais onde pudessem frequentar livremente, logo chegaram a uma região da fazenda Nova América conhecida como Prainha. 
 
A Prainha é um trecho do rio que fica as margens da BR- 101, ao lado da ponte que,  provavelmente, recebeu essa alcunha por conta do  areial em sua volta que lembra uma praia.
 
Conforme lembra  Matos Silva dois fatores contribuíram para a grande procura pela “Prainha” como destino de lazer: a popularização da bicicleta e a abertura da rodovia BR-101, que facilitou o acesso ao local.
imagem googleheart
 
Antes da ponte sobre o Rio Itanhém, na BR-101, a rodovia passava no meio, do que um dia, foi uma rocha. Segundo o  hipótese  do senhor  Matos Silva,  foi a partir da abertura deste caminho sobre a pedra e  da Avenida Getúlio Vargas que o acesso ao local foi facilitado.
 
Atualmente, o lugar ainda é muito procurado por moradores do entorno, para atividades de recreação e lazer, principalmente durante o verão, quando é possível notar um grande número de pessoas.
 
Porém, a crescente aglomeração de populares ás margens do rio, é vista com preocupação pelas autoridades, porque  o registro de óbitos por afogamento oscila a cada ano.
 
Em 2012, foram registrados dez óbitos por afogamento em pontos diferente  do rio que corta a cidade do início ao fim.  Diante destes números, no início do ano 2013 a defesa civil da cidade de Teixeira de Freitas lançou a campanha preventiva “Verão Sem Afogamentos”.
 
Em 2015, o Subcomandante do Corpo de Bombeiros, Tenente Raimundo Rodrigues de Oliveira, em uma entrevista ao site de notícias liberdade News, destacou que a campanha reduziu pela metade a média de afogamentos, de 10 em 2012, para 05 em 2015.
 
Notícias recentes, dão conta que o local situado na região do bairro Colina Verde, voltou a ser frequentado por banhistas e moradores. O número de afogamentos registrados naquela região também tem aumentado de forma significativa.

Fontes:

Conversa informal; Santos Almeida em 2013, Rodrigues Aguiar 2012, Silva Matos em 2014. Os mesmos pediram para que os primeiros nomes não fossem divulgados porque o caso faz referência a um influente político da cidade.

Corpo de bombeiros realiza campanha de prevenção a acidentes por afogamentos. Disponível em :http://liberdadenews.com.br/index.php/policia/11188-corpo-de-bombeiros-realiza-campanha-de-prevencao-a-acidentes-por-afogamento

Jovem morre afogada no dia em que comemorava 6 meses de casada em Teixeira de Freitas:

http://bahiaextremosul.com/noticia/jovem_morre_afogada_no_dia_em_que_comemorava_06_meses_

de_casada_em_teixeira_de_freitas

Os dois últimos corpos dos irmãos mortos no rio Itanhaém são encontrados.

http://www.sulbahianews.com.br/policia/os-dois-ultimos-corpos-dos-irmaos-mortos-no-rio-itanhem-sao-encontrados

 

Veja também:

Relatos sobre os anos 90 em Teixeira de Freitas: Os farofeiros

Relatos sobre os anos 90 em Teixeira de Freitas: Bingos

O causo da Rua do Brega: Parte 01

O Saneamento Básico na História de Teixeira de Freitas parte 1

O causo do Batizado

O causo do vinho em Helvécia

O causo do caruru no Duque de Caxias

Futebol em Teixeira de Freitas: Parte 01.

Memória Estudantil


Especial Teixeira de Freitas 30 anos:

Mosaico de histórias

 

 

*Daniel Rocha

Historiador, Bacharel em Serviço Social, Pós-Graduado em Educação à Distância (EAD), Cinéfilo e blogueiro criador do blog Tirabanha em 2010.

E-mail: tirabanha@tirabanha.com.br
Fone: (73) 98128-7315

Contatos do WhatsApp: (73) 998118769

 

One thought on “A PRAINHA NO RIO ITANHÉM”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *