A Nuvem que Chamou a Atenção do Mundo

Por Daniel Rocha

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas

Por Daniel Rocha

Luc Besson não é um diretor perfeito, mesmo em sua melhor fase nos anos noventa, quando entregou trabalhos cultuados como o filme o Quinto elemento (1997), foi duramente  criticado.

Mesmo assim havia o reconhecimento de que seus filmes  eram diferenciados e tinha um toque de cinema francês que dava um charme a mais as produções que nunca seguiam a  risca os  padrões estabelecidos  por Hollywood . A mesma pegada  se nota no seu trabalho mais recente   Valerian e a Cidade dos Mil Planetas (2017).

Na fita, sinopse, Valérian é um agente viajante do tempo e do espaço que luta ao lado da parceira Laureline, por quem é apaixonado, em defesa da Terra e seus planetas aliados, continuamente atacados por bandidos intergalácticos.

O filme é rico em efeitos especiais , tem cenários bem elaborados e  personagens curiosos e cativantes, contudo Besson desenvolve pouco a narrativa e o universo extenso que mostrou ter muito a oferecer.

Tal como o Quinto Elemento o filme tem seus defeitos  mas o diretor consegue fazer valer seu estilo. Valerian e a Cidade dos Mil Planetas não é perfeito, mas Vale o ingresso.

 

 

Os impactos da política de cortes no SUS: “Saúde não tem preço, mas tem custo”

Com experiência de mais de 12 anos como gestor de saúde pública, nas esferas federal, estadual e municipal, o ex-secretário de saúde do estado (2007-2012) e hoje Deputado Federal Jorge Solla (PT- BA), esteve na cidade para participar da abertura da 6º conferência Municipal de Saúde.  Na oportunidade, em entrevista, ele falou sobre a atual política de cortes do governo e os impactos para saúde brasileira.

 

Tem como existir uma assistência pública de saúde justa e não universal?

 

Não. Por isso que o Brasil escreveu na constituição de 1988 a  saúde como direito de todos e como dever do estado.  Avançamos muito de lá pra cá nesses 30 anos que completaremos em 2018, hoje temos a atenção básica, atenção hospitalar, implantamos o SAMU que chega a 150 milhões de brasileiros, temos o maior sistema de vacinação do mundo, o maior sistema de transplante.

O Brasil conquistou espaços importantes  com todas as dificuldades de um subfinanciamento, temos apenas 3 reais em saúde por habitantes por dia para fazer tanta coisa… É realmente uma política pública eficiente que faz muito com muito pouco e atualmente está ameaçada pelo atual governo que tem cortado recursos das políticas públicas, da saúde, da educação, da assistência social, de todas as políticas que chegam à população, portanto precisamos nos mobilizar em defesas da saúde e do sistema único de saúde e  fazer com que pressões sejam exercidas para reverter esses cortes que tem acontecido.

O senhor é um grande defensor do sistema público brasileiro de saúde, quais os próximos desafios

Eu diria que é o financiamento, que está correndo grande risco. Eu faço parte da comissão mista de orçamento e a proposta do governo para o ano que vem é um orçamento inferior o deste ano. Não só na saúde mais também nas universidades federais como a Universidade Federal do Sul da Bahia que tem campos aqui em Teixeira de Freitas. Portanto mais do que nunca é preciso que a população fique atenta e se manifeste contra essas medidas que prejudicam a saúde, a assistência social e o saneamento e tudo que conquistamos nos últimos anos e governos.

O que representou o arquivamento do processo contra Temer para o SUS?

Representou um golpe grave, porque esse governo tem entre suas prioridades reduzir os recursos das políticas sociais, inclusive da saúde, para aumentar os recursos e pagar o lucro dos banqueiros e dos rentistas. É um governo que não defende a saúde que não defende o SUS e nem a população Brasileira.

Neste contexto é correto afirmar que o sistema brasileiro de saúde pública universal está ameaçado?

Não tenha dúvida… Dizem que saúde não tem preço, mas tem custo. O sistema precisa ser financiado e os cortes que estão colocando com a PEC ,que aprovaram, reduz em 20 anos o gasto atual que representa 3,8% do produto interno bruto aplicado em gastos em saúde pública, para pouco mais de 2%. Isso vai ser um desastre para assistência em saúde da população.

Por Daniel Rocha

Na contramão do bom senso

Por Aílton Vieira*

É inegável que a internet mudou permanentemente a comunicação entre as pessoas, nas palavras do ex–ministro da Cultura Gilberto Gil “antes o mundo era pequeno, porque a terra era grande, hoje o mundo é muito grande porque a terra é pequena, do tamanho de uma antena.”

A internet modificou o cenário mundial, a vida está online e as redes sociais integraram-se ao cotidiano das pessoas. Essas ferramentas digitais trouxeram velocidade, praticidade e eficiência nas relações interpessoais, superando as barreiras geográficas, culturais e sociais.  

Estamos diante de uma realidade digital, e nesse contexto de transformação o papel da escola é fornecer ao aluno autonomia na aquisição de seus saberes e na construção de sua identidade, transformando conhecimento em ferramentas para uma intervenção ética e consciente na sociedade em que esta inserido.

E as redes sociais, cada vez mais, ganham espaço nas nossas vidas, principalmente na circulação de informações, e como ferramenta de manifestação popular. E a escola é o espaço adequado e propício a desenvolver esses sistemas comunicativos e democráticos. 

Entretanto, na contramão do bom senso e da assertividade, o secretário de EDUCAÇÃO de Teixeira de Freitas, proibiu por meio da portaria nº 22 de 24 de julho de 2017, o uso e acesso a jogos eletrônicos e redes sociais em todos os espaços que fazem parte da Secretaria de Educação e cultura do município de Teixeira de Freitas.

Proibindo também os funcionários de realizarem chamadas, que classificou de  indevidas, permitindo apenas as chamadas de caráter emergencial. A quem caberá julgar o que é ou deixa de ser emergencial? A maioria dos profissionais de educação são mães e pais de família que deixam seus filhos aos cuidados de terceiros para se dedicarem 40 horas semanais na educação de crianças e adolescentes de nossa cidade.

Os profissionais da educação não podem ser constrangidos e responsabilizados na totalidade, por desvios e descaso de uma minoria. Não se resolvem problemas de ingerência e omissão com portarias e decretos.

Essa atitude autoritária é um retrocesso, destoa do ambiente democrático da escola. Um professor de verdade sabe que o caminho para solucionar os conflitos passa pela conscientização, pelo diálogo e a habilidade de lidar com os problemas e acima de tudo com a humanização do ambiente escolar.  VAMOS DAR ATENÇÃO AO BOM SENSO! 

 

*Ailton Vieira , também conhecido como Aílton Agente de Saúde, é  Assistente Social e conselheiro municipal de saúde

Teixeira de Freitas realizará VI Conferência municipal de Saúde

 

 

Por (Daniel Rocha)

O conselho municipal de saúde de Teixeira de Freitas e a secretaria municipal de saúde estão empenhados e vão promover no dia 10/8 e 11/8 a VI conferência municipal de saúde do município, aberta a todas e a todos, em favor do aperfeiçoamento e atendimento às demandas e necessidades dos usuários do SUS.

Tendo como tema central Gestão participativa no SUS: Desafios para Integralidade na Saúde, a conferência começa no dia 10, Quinta-feira, as 19:00hs, no auditório do Lord Hotel, localizado na praça Shopping Teixeira Mall, centro.

O acolhimento dos participantes e o credenciamento nos eixos temáticos começa mais cedo as 17:30. A mesa será composta por autoridades e outras personalidades locais.

A palestra magna de abertura terá como tema a gestão Participativa no SUS: Desafios para a integralidade na saúde e será ministrada pelo presidente do conselho Estadual de Saúde da Bahia, Ricardo  Luiz Dias Mendonça.

No segundo dia, 11/08,  que será realizado no Campus X da UNEB – Universidade do Estado da Bahia, localizada na Avenida Kaikan, s/n, Jardim Caraípe, a partir das 07:30, os participantes credenciados no dia anterior poderão participar de debates por eixos temáticos.

Eixo temático I, proteção e promoção da saúde, II Atenção integral à saúde, III Saúde como inclusão social, IV Gestão do trabalho e Educação na saúde, V Participação e Controle Social. VI Planejamento, Gestão de Recursos e Instrumentos de Gestão. VII Rede e Processo Regulatório em saúde.

No mesmo dia no período da tarde, a partir das 13:30, no auditório da instituição, será feita a apreciação e votação das propostas elaboradas de acordo como os eixos temáticos na Plenária final.

A conferência é um instrumento de planejamento e gestão de recursos feito com a participação dos usuários, gestores e fornecedores e tem como objetivo possibilitar o debate, troca de ideias e perspectiva a fim de contribuir para um uso racional e contextualizados dos recursos públicos sobre as quais é possível agir.

 

Planeta dos Macacos: Uma inteligente sátira do mundo atual

Por Daniel Rocha

 

Macacos com inteligência desenvolvida entram em confronto com seres humanos que, acuados e fragilizados, tenta resistir à extinção e ocupação dos malvados oponentes. Até parece que você já viu esse filme, só que não. 

Planeta dos Macacos: A guerra (EUA, 2017) é a parte final de uma trilogia iniciada em 2011 que traz o prelúdio da história apresentada pelo clássico estrelado por Charlton Heston em 1968, uma adaptação do livro de Pierre Boulle, que retrata como seria o mundo se a evolução tivesse seguido um caminho diferente. 

No filme, O líder dos primatas, César (Andy Serkis), e seu grupo são forçados a entrar em uma guerra contra um exército de soldados liderados por um impiedoso Coronel (Woody Harrelson). Depois que vários macacos perdem suas vidas no conflito, César luta contra seus instintos e parte em Busca de vingança. Dessa jornada o futuro do planeta fica em jogo. 

No filme não há maniqueísmo, o bom o ruim, o valente e o coitado. Todos estão sujeitos a erros e escolhas equivocadas, julgamentos precipitados e falhos. O primata César é o grande nome do filme, sua postura ética e preferência pelos ideais de humanidade contrasta com o modo de agir dos humanos com quem está em pé de guerra e também tem seus motivos. 

Essas e outras qualidades classifica o filme como um dos mais relevantes da atualidade por, dentre outras coisas, provocar o público para questão bem atuais como, qual o critério para decidir quem está certo ou errado? Qual o critério para definir quem é o bandido e o herói? Ainda acreditamos na humanidade? Somos mesmo capazes de dialogar? 

Planeta dos Macacos: A guerra é um filme acima da média, um espetacular e transformador exercício de reflexão que provavelmente você não espera e nunca viu igual. Vale a pena conferir. 

 

Em Cartaz: Planeta dos Macacos: A Guerra

Cine Teixeira
Sessões:
HOJE
18:15
20:45

Cinesercla PátioMix Teixeira de Freitas

3D
15:10
17:50
20:30
Dublado em português
Padrão
20:40