Coletivo Feminista organiza manifestação em Teixeira de Freitas

Organização*

As mulheres vão dominar o mundo? Talvez – tomara que sim –, não sabemos. O que sabemos, contudo, é que as mulheres tomarão as ruas brasileiras no próximo sábado, dia 29 de setembro, certamente o maior exército, o mais aguerrido, numeroso e feroz a pisar nas américas. Dúvida?

Em Teixeira de Freitas (Extremo Sul baiano), o batalhão das mulheres se arregimentou nas mídias sociais emcabeçadas pelo Coletivo Feminista das Margaridas. Hoje  o grupo já conta com mais de duzentas mulheres, mistas em várias profissões. Sendo elas advogadas, donas de casa, professoras, estudantes,domésticas, trabalhadoras do campo, engenheiras, servidoras, médicas, trabalhadoras do comércio, esportistas, vereadoras, candidatas regionais, prometem, todas, lutando por nenhum direito a menos e contra as afirmações polêmicas do candidato Jair Bolsonaro.

Dentre essas e outras coisas, o candidato já chegou a dizer em uma entrevista no ano de 2016, que não contrataria uma mulher com o mesmo salário que um homem “porque as mulheres engravidam”. Na época, o candidato disse ter sido mal interpretado.

Não bastasse, o candidato já declarou que nunca pensaria na hipótese dos próprios filhos serem gays, pois, segundo ele próprio, “eles tinham uma boa educação”. E, apesar de ter dito novamente que foi mal interpretado, passou a colecionar a antipatia da grande parte da comunidade LGBTQ+ brasileira.

Em vista disto, em 30 de agosto deste ano, as eleitoras criaram um grupo online pelo “Facebook”, denominado “Mulheres Unidas contra Bolsonaro”, que em menos de duas semanas reuniu dois milhões de mulheres.

A partir daí, o movimento contou com o apoio de diversas personalidades da grande mídia.  Organizado e composto por mulheres de diversos Coletivos Feministas, Grupos e Movimentos Sociais, sem restrição de partidos ou ideologias.

Na cidade o manifesto   “Mulheres Unidas contra Bolsonaro – Teixeira de Freitas, #EleNão , está marcado para as 08:00 horas (oito horas) da manhã, com concentração na Praça da Prefeitura, na Avenida Castelo Branco, e recomenda-se o uso de camisas brancas, violetas ou lilás.

Portanto, o movimento se organizou em “defesa dos direitos das mulheres, das minorias, da comunidade LGBTQ+, bem como, contra o neofacismo, o racismo, o machismo, o sexismo, a misoginia, a intolerância e a incitação à violência, tudo que esse sujeito representa”. Nota publicada no WhatsApp de convite ao manifesto.

  • O texto foi enviado para o site tirabanha.com  pela organização do manifesto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *