Ofícios dos trabalhadores e trabalhadoras na história de Teixeira de Freitas I

Por Daniel Rocha e Domingos Cajueiro Correia

Ao longo destes trinta e quatro anos de emancipação, em paralelo aos “fatos históricos” e “tradicionais narrativas” de “fundação e de grandes feitos”, os trabalhadores exercerão suas funções e mantiveram o funcionamento mecânico da sociedade teixeirense, por hora de forma discreta, por hora com grande destaque, fortalecendo a dinâmica e o comércio local que é a base da nossa economia. Hoje, apresentamos alguns desses para vocês.

01 – FAZEDOR DE CORDAS.  Quando Teixeira de Freitas ainda fazia parte do interior dos municípios de Caravelas e Alcobaça, antes do surgimento do primeiro núcleo que deu origem ao povoado, alguns moradores das comunidades rurais próximas trabalhavam como “cordeiros”.

O trabalho do “cordeiro” consistia em retirar e cortar a Guaxima, planta nativa da região, colocar em um cocho de água até pubar para retirar as amarras que eram reunidas em fardos para serem vendidas e exportados para cidades como Salvador e Recife , pela empresa Baiana de Navegação, e para a cidade Mineira de Teófilo Otoni ,pela estrada de ferro Bahia e Minas. Dentre os diversos prestadores deste serviço destacamos o trabalho do Sr. Servídio Nascimento Correia, extrativista, e do comprador e exportador Pedro Muniz.

02 – EXPORTADOR DE COURO. Tal como o “cordeiro” o exportador de couro ,que também era conhecido como exportador de peles, 1940 e 1960, exportava sua produção para os grandes centros comerciais da época através da Estrada de Ferro Bahia e Minas (EFBM). Dentre os que exerciam essa função destacamos o nome de Alírio, cujo sobrenome não foi identificado, que comprava em nossa região, entre 1950 e 1960, couro tratado de Gato-do-mato (Jaguatirica), Onça, Lontra e Veado. Os maiores compradores ficavam na cidade de Nanuque (MG) e Teófilo Otoni (MG) e na baiana Caravelas.

03 – ARMEIRO. Profissional que reparava, modificava, projetava e fabricava armas artesanais. Nas décadas de 1950 e 1960, no povoado de Teixeira de Freitas, o negro Duca Ferreira exercia o ofício. Por isso era muito procurado nas redondezas do povoado de Teixeira de Freitas para reparos em espingardas, faca, ferro de gado. Outro que também era conhecido pelos serviços era o ferreiro senhor Vespasiano do qual não obtivemos maiores informações.

04 – CARPINTEIRO.  Nas décadas de 1930,1940 e 1950 um dos carpinteiros mais solicitado da região pelas fazendas próximas, como Cascata e Nova América, se chamava Manoel de Adelaide da fazenda “Bomtequando.”  O carpinteiro além de atender chamados e encomendas também formava meninos entregues a seu cuidado para trabalhar e aprender o ofício. Seus discípulos, Baduca, Pedro Ratinho, Pedro Lopes, José Thomaz, também são lembrados pelos bons serviços prestados e destaque na profissão. O carpinteiro Manuel de Adelaide era considerado o “Aleijadinho” da região, algumas de suas obras podem ser vistas no sítio histórico da fazenda Cascata.

05 – PARTEIRAS. Antes da atuação dos primeiros médicos e a abertura dos primeiros hospitais em Teixeira de Freitas na década de 1970, havia outras formas de parir e nascer, nessa realidade as mulheres gestantes recorriam às parteiras existentes em toda parte da cidade e do município, das quais registramos o fazer de Dona Benedita e Dona Francisca que atuou nas comunidades rurais da década de 1940, Dona Antônia Carlota e Dona Adalgisa na década de 1950. Maria de Lourdes cajueiro e Ana de Torquato nas décadas de 1960 e 1970, dentre outras tantas que exerciam o ofício sem cobrar um centavo.

Continua nas próximas postagens.

Daniel Rocha da Silva*

Daniel Rocha da Silva* Historiador graduado e Pós-graduando em História, Cultura e Sociedade pela UNEB-X.Contato WhatsApp: ( 73) 99811-8769 e-mail: samuithi@hotmail.com

Domingos Cajueiro Correira é memorialista e colaborador do site.

O Conteúdo deste Site não pode ser copiado, reproduzido, publicado no todo ou em partes por outros sites, jornais e revistas sem a expressa autorização do autor. Aja de forma honesta e responsável, respeite o conteúdo e sempre dê crédito ao autor. PLÁGIO é considerado crime. Paciência tem limites.

Crédito das Fotos: Foto Fazenda Cascata 1996. Acervo Pessoal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *