Por Daniel Rocha

Em toda cidade, os terminais rodoviários são como paradas obrigatórias. Quem nunca passou por lá para dar boas-vindas ou iniciar uma jornada? Com o tempo, as coisas mudam e isso leva a mover esses lugares por causa de um fluxo maior de gente ou interesses urbanos e políticos. Em um contexto que combinou tudo isso, em 1997, deram início à construção da extinta Rodoviária Nova de Teixeira de Freitas.

Em 1994-1996, Teixeira de Freitas se destacou na economia baiana. Sua jovem emancipação não impediu um crescimento vigoroso e logo todo o contexto ficou evidente no terminal rodoviário que com 282 horários de ônibus diários movimentava 5 mil passageiros por dia.

Por isso, em 1997, após 25 anos, o terminal inaugurado em 1972 já era criticado pela estrutura deficiente. Isso porque o movimento diário já havia crescido para 8 mil passageiros e estava gerando filas intermináveis, além de tudo visivelmente sua estrutura deficiente contrastava com a importância do lugar, um dos mais movimentados do interior do estado.

Diante destas adversidades, em julho de 1997, deu-se início a um movimento visando a construção do novo terminal rodoviário, a Rodoviária Nova de Teixeira de Freitas no bairro Vila Caraípe. A empreitada foi executada nos anos subsequentes pela empresa Sinart – Sociedade Nacional de Apoio Rodoviário e Turístico. Um contrato de concessão de 20 anos foi firmado entre a empresa e o governo estadual, outorgando à Sinart a exploração de todos os serviços do novo terminal.

Erguido na Avenida Paulo Souto, numa área de 3.800 m², a Rodoviária Nova, após sua conclusão em 1999-2000, se apresentou como a maior do interior da Bahia. Segundo noticiou  na época o jornal A tarde:  “Sua envergadura se assemelhava à do terminal rodoviário do município de Santos, São Paulo, uma localidade com 450 mil habitantes.

Dessa forma, a então nomeada “Rodoviária Nova Teixeira de Freitas,” foi entregue com um grande espaço de embarque e desembarque de passageiros, com 20 plataformas para estacionamento de ônibus, além de dois conjuntos de sanitários, dois vestiários, dez salas administrativas, um restaurante e duas lanchonetes.

Uma sala de descanso para motoristas, uma loja de encomendas, 20 guichês de venda de passagens, 33 lojas, dez boxes, um banco e um estacionamento para carros, fazendo destacar que de fato a antiga rodoviária não atendia mais a expectativas e demandas da cidade que já discutia a elaboração de um PDU – Plano Diretor Urbano, que determinou a organização do trânsito na cidade para desafogar o centro.

Naquela época, a região da avenida era tida como distante e afastada do ritmo da cidade, gerando tanto expectativas negativas para os comerciantes do centro quanto positivas para os empresários locais, que previam um novo ciclo de crescimento com a valorização do bairro Vila Caraípe.

Segundo registros de jornais da época, o anúncio da rodoviária nova provocou um aumento nos preços de casas e terrenos. Em pouco tempo, a área circundante da “Rodoviária Nova” da cidade se transformou em um polo comercial e residencial dinâmico. Simultaneamente, o antigo terminal, agora conhecido como a Rodoviária Velha, foi transformado em um terminal urbano para a movimentação de passageiros do transporte coletivo seguindo as mudanças trazidas pelo PDU.

Contudo, em agosto de 2022, a rodoviária foi fechada, dando espaço às obras de construção do Hospital Regional Costa das Baleias, que demoliu todo prédio, com a promessa que uma nova estação seria construída em outro local. A função do terminal foi compartilhada entre o antigo ponto de embarque e desembarque, a Rodoviária Velha, e um ponto de apoio localizado na BR-101.

De acordo com os passageiros ouvidos pelo portal G1, naquele ano de 2022, a falta de informações sobre a mudança acarretou em complicações para os viajantes que ainda hoje sofrem com problemas associados à falta de clareza e à demora na construção de uma nova rodoviária e ausência do universo popular onde possa o passageiro por em prática costumes de viagem.

No começo de 2023, o governo de Jerônimo (PT) anunciou que a nova Terminal Rodoviário de Teixeira de Freitas será instalada e construída próximo à Faculdade Pitágoras, à beira da BR-101. Na época do fechamento do terminal na Avenida São Paulo, a promessa do governador do Estado era de que a nova estrutura estivesse pronta em cinco meses.

Enquanto isso, os usuários frequentes continuam enfrentando uma série de desconfortos, tais como a que motivaram o fechamento do antigo terminal em 1997.

Fontes:

Teixeira: Governo sinaliza local para construção da nova rodoviária. Site Sulbahia News. 18/01/2023

Rodoviária de Teixeira de Freitas é fechada por causa da construção de hospital; passageiros relatam falta de informação. Site G1 BA. 08/08/22

Anais da Câmara dos deputados. Volume 20, Exemplar 16. Por Brasil. Congresso Nacional. 1994

Teixeira de Freitas ganhará rodoviária. Jornal A tarde. 27/06/1997

Teixeira de Freitas – Uma questão de planejamento urbano para a segurança no trânsito. MENSITIERI. Carlos. 2016. 2º edição. São Paulo.Editora Perse.

Daniel Rocha da Silva*

Historiador graduado  e Pós-graduado em História, Cultura e Sociedade pela UNEB-X.

Contato WhatsApp: ( 73) 99811-8769 e-mail: samuithi@hotmail.com

O conteúdo  deste Site não pode ser copiado, reproduzido, publicado no todo ou em partes por outros sites, jornais e revistas sem a  expressa autorização do autor. Facebook.

Compartilhar: