Arquivo da tag: exploração da madeira no extremo sul da Bahia

A exploração da madeira em Teixeira de Freitas – Parte 03

Por Daniel Rocha

A instalação de diversas serrarias oriundas do estado do Espírito Santo  na cidade de Teixeira de Freitas, extremo sul da Bahia,na década de 1970,  favoreceu a migração de trabalhadores do ramo. O que lembram sobre esse período os migrantes da indústria da madeira?

Sobre isso, conversei informalmente em 2012 com o senhor Geraldo Silva, um agricultor morador do distrito teixeirense de Santo Antônio, que naquela ocasião vivia de pequenos serviços como ajudante de pedreiro na cidade, Juscelino José, também pedreiro, e Natalino Almeida, carpinteiro aposentado.

Durante uma conversa com o senhor Geraldo, em seu local de trabalho, ele recordou os motivos que fez a família migrar para o então povoado de Teixeira de Freitas no início da década de 1970. “Cheguei aqui em Teixeira com a idade de seis anos, minha família é de Minas Gerais… Meus pais saíram de lá porque aqui era mais promissor.” 

O antigo funcionário da Serraria Divilan, que se localizava no centro da cidade, nas proximidades da escola Vila Vargas, revelou que as serrarias eram grandes galpões armados movido a força humana e de máquinas onde os migrantes especializados para o ramo facilmente encontrava ocupação remunerada. 

Contudo, conversando com o senhor Geraldo, foi possível notar, por assim dizer, que ele não percebia o lugar como uma fábrica ou uma unidade industrial, apenas como “uma serraria que beneficiava madeiras para vender”. 

Revelou ainda com base em suas lembranças de operário que tudo ali produzido era vendido para fora em forma de casas pré – moldadas, tendo como clientes fazendeiros e construtores da localidade e de outros estados que adquiriam janelas, portas, caibro e ripas, usadas na construção de casas e prédios. 

Clipe animado com foto da antiga Serraria Divilan

Já de acordo com a perspectiva compartilhada do senhor Juscelino José, também pedreiro, as serrarias eram verdadeiras fábricas que funcionavam dia e noite, todos os dias do ano, para atender encomendas diversas , das capitais e da própria região, em uma jornada com poucos intervalos.

“Eu trabalhei como ajudante no turno extra que começava às 18h da tarde e iam até 02h da manhã (…). A Serraria era organizada como qualquer grande indústria e empregava uma grande quantidade de trabalhadores”.

Ainda de acordo, foi devido a necessidade de funcionar em turnos extras que levou algumas serrarias a construir casas de madeira nas proximidades do local, principalmente para os trabalhadores vindos do Espírito Santo.  Ainda de acordo com os entrevistados, Juscelino e Geraldo, todos trabalhavam registrados legalmente.

No entanto, Natalino Almeida, carpinteiro aposentado, que na época trabalhou exercendo a profissão em diversas serrarias, afirmou que na época era muito comum um trabalhador ser contratado para uma função e registrado na carteira como praticante de outra, fato que evidencia que havia arranjos do tipo.

Curioso notar que, embora haja registros e relatos de acidentes envolvendo trabalhadores da madeira esses acontecimentos se fizeram ausentes nas recordações espontâneas destes trabalhadores.  Assunto dos próximos textos da série. 

Durante o bate – papo como senhor Geraldo ele fez lembrar que o seu irmão mais velho também trabalhou na serraria Divilan durante a década de 1970, mas que depois preferiu migrar para o estado de São Paulo em busca de “atividades mais rentáveis”, fato que indica que muitos que chegaram também partiram com o fim da atividade. 

Fontes:

Conversa informal com os senhores: Natalino Almeida, Geraldo José e Natalino Almeida, realizada de forma espontânea em  2012. O texto foi publicado originalmente na primeira versão do tirabanha.blogspot.com (2012 – 2013). Na nova revisão alguns termos, informações e a ordem das falas foram alteradas e acrescentadas.

Foto: A foto em destaque e de uma serraria no extremo sul da Bahia. Local não informado. Ano 1971.

Daniel Rocha da Silva*

Historiador graduado  e Pós-graduando em História, Cultura e Sociedade pela UNEB-X. 

Contato WhatsApp: ( 73) 99811-8769 e-mail: samuithi@hotmail.com

O Conteúdo  deste Site não pode ser copiado, reproduzido, publicado no todo ou em partes por outros sites, jornais e revistas sem a  expressa autorização do autor. Facebook.

Veja também:

Exploração da madeira – Parte 02

Receba notificações de novas postagens (Clik)