Por SecultBA

Com a proposta de pautar pessoas que integram a Cultura Periférica, que estudam ou já estudaram música e que desistiram ou não do sonho de  demonstrar sua arte, acontece, a partir de segunda-feira (17), o projeto Mesa de Fissuras Negras. A iniciativa reunirá participantes que contarão um pouco da sua história, documentando suas experiências e esperança em conquistar espaço com a sua arte. A transmissão será feita através Instagram @fissurasnegras e no Canal Mesa de Fissuras Negras no YouTube

Para o desenvolvimento do projeto, serão convidados estudantes do CEEP em Música e UFBA que cumpram os requisitos de periféricos, para documentar a sua vivência, a fissura, o que dói, finalizando com a composição conjunta dos participantes para cada um deles. Serão realizados encontros semanais, com a finalidade do desenvolvimento de suas artes. No final, dia 05/03, as músicas serão apresentadas em formato de live, já que foi encerrado o processo de composição, arranjo e registro.

Todo material será gravado e as músicas demonstradas, antes do final, somente em parte, para apenas serem  reveladas na live final. Segundo os idealizadores do projeto, “a ideia é mostrar fissuras que ainda perseguem artistas, também mostrando a arte que essa pessoa conseguiu, independente da sua fissura”.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura (Prêmio Cultura na Palma da Mão/PABB) via Lei Aldir Blanc, redirecionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Prêmio Cultura na Palma da Mão – A convocatória foi elaborada para a execução dos recursos remanescentes da Lei Aldir Blanc, redirecionados pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal. É voltado para iniciativas culturais das categorias Difusão Artística; Culturas Periféricas; Culturas Rurais; Memória e Tradições; Cultura LGBTQIA+, que devem utilizar as redes sociais ou plataformas de streaming para realização das propostas.

Compartilhar: