Quem Somos

O site Tirabanha  se propõe a oferecer textos prazerosos sobre a história  da cidade de Teixeira de Freitas ,município distante a cerca de 900 km da capital Salvador , e dessa forma de todo o   Extremo Sul da Bahia.

Com linguagem acessível, sem abrir mão do rigor histórico e da simplicidade dos causos e memórias, o material produzido por historiadores, artistas, escritores e colaboradores em geral, são disponibilizados através de reportagens, artigos ou simples relatos que enfocam a história e a cultura local.
Acreditamos que “em história, não pode haver nunca a obra definitiva: tudo a que podemos aspirar são aproximações mais ou menos felizes”. O que torna o desafio de fazermos o Tirabanha ,Tira- Banha, alcunha do povoado  que deu origem  a cidade de Teixeira  de Freitas ,  algo ainda mais empolgante!

EQUIPE

Daniel Rocha

Historiador, Bacharel em Serviço Social, Pós-Graduado em Educação à Distância (EAD), Cinéfilo e blogueiro criador do blog Tirabanha em 2010.

E-mail:

samuithi@hotmail.com

Facebook

https://www.facebook.com/daniel.rochadasilva.9

Fone:

(73) 3291 -8802

(73) 998118769  Contatos do WhatsApp

Twitter

https://mobile.twitter.com/Tirabanha

 ……………………..

Marielson Ribas
Professor de Matemática
Revisão e Colaboração

E-mail: marielsonribas@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/marielsonr
Instagram: https://www.instagram.com/marielsonribasTwitter: https://twitter.com/marielsonribas
Lattes: http://lattes.cnpq.br/8504617559748078

…………………………..

Marcos Marcelo

Assistente Social, Pesquisador, Músico, Produtor Musical, Compositor, Publicitário e blogueiro.

E-mail: marcelosocial81@hotmail.com

Fone: (73) 9850-1370

 

2 thoughts on “Quem Somos”

  1. Estudar a memória, entendida na tradição filosófica como persistência, significa entrar num campo de discussões que envolve o esquecimento e uma área muito sutil, a reminiscência – ou seja, a capacidade de recuperar algo que se possuía e que se perdeu…A memória sem dúvida tem algo a ver não só com o passado, mas também com a identidade e, assim (indiretamente), com a própria persistência no futuro. Contar histórias então é algo importante para a historicidade das cidades e seus agentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *