Arquivo da categoria: Causos

Os teixeirenses “farofeiros”

Por Daniel Rocha

Até a década de 1990 o costume de organizar passeios coletivos, preparar e comer farofas na praia, rendeu aos teixeirenses o apelido de “farofeiros”. As excursões eram organizadas por homens e mulheres, trabalhadores e trabalhadoras, que ao fazer isso permitia aos mais pobres acessar a praia.

Para saber mais sobre esse tipo de turismo conversei em  informalmente com duas moradoras da cidade,  Folha Lima e Aurenice Nunes que tem boas lembranças deste período.

A Moradora do Bairro Jardim Europa, Folha lima de 48 anos, por exemplo, recordou com alegria que organizou esse tipo de passeio no bairro do Ulisses Guimarães na década de 1990.  Durante o bate- papo  ela detalhou que a organização do passeio começava com o levantamento dos custos e a definição do destino, Alcobaça ou Prado. Em seguida saia pelas ruas do bairro procurando interessados.

Com a lista de excursionistas fechada, os moradores pagavam o valor definido para o aluguel do carro, ônibus ou caminhão, comprar bebidas e  o frango para fazer a farofa, detalhou .

Ainda de acordo com a moradora, a farofa era no geral feita com frango, porém na falta da carne nada impedia que outro tipo fosse utilizado, recordou, por exemplo, que em uma oportunidade fez uma farofa com “Bofe bovino”.

Antes do dia do embarque, todos os passageiros eram comunicados do local e horário, no bairro o ponto de partida era enfrente a igreja Católica onde todos os moradores deveriam estar as 5h00 da manhã.

No destino os “farofeiros” armavam barracas e em algumas ocasiões faziam churrascos animados por pagodeiros da turma, como bem lembra ter acontecido no verão de 1994 em Alcobaça.

Folha revelou que nunca ouviu ou sentiu se ofendida com conversas ou observações depreciativa e preconceituosa por parte dos moradores e tão pouco dos turistas. “Se juntavam ao grupo para brincar e comer farofa chamando uns aos outros de farofeiros. Era um tempo bom de namoro e boas amizades, todo mundo era unido”, disse ela.

No bairro São Lourenço também  era muito comum à realização deste tipo de passeio para Alcobaça. Afirmou  Aurenice Nunes que no final da década de 1980 e início da década de 1990 participou de algumas  organizadas pelos vizinhos que costumavam fretar ônibus para o passeio. “Ficava mais barato”.

Tal como no Ulisses Guimarães, o grupo de passageiros era formado  por rapazes e moças, trabalhadores do comércio, autônomos, estudantes e domésticas, famílias e moradores de outras parte da cidade que iam subindo ao longo do percurso. “Saíamos cedo para voltar no finalzinho da tarde”.

De acordo com os relatos das moradoras durante o passeio acontecia de tudo e mais um pouco. Namoros na praia que se estendia ao mar, pais preocupados com crianças, brigas  por conta de interesses amorosos ou motivada por bebidas, brincadeiras e sátiras envolvendo a divisão da farofa e os trajes de banho de alguns, tudo sem interferências internas e sem rancor no final.

Conforme enfatizam os relato a farofa ainda faz parte da rotina de veraneio de alguns moradores principalmente na virada do ano quando o discurso consumista ligado ao turismo e o forte calor atiçam nas pessoas o desejo de ir à praia.

———————————————————————————–

Daniel Rocha da Silva*

Historiador graduado  e Pós-graduando em História, Cultura e Sociedade pela UNEB-X.

Contato WhatsApp: ( 73) 99811-8769 e-mail: samuithi@hotmail.com

O Conteúdo  deste Site não pode ser copiado, reproduzido, publicado no todo ou em partes por outros sites, jornais e revistas sem a  expressa autorização do autor. Facebook.

O texto foi originalmente publicado em 2016 no site tirabanha. Versão adaptada.

Ativar as notificações de novas postagens.(Click Aqui)

Veja também:

Filmes que marcaram época na cidade: O exorcista

A “Represa do Jacarandá” em Teixeira de Freitas

A represa do Charqueada, também conhecida como “represa do Jacarandá” ficava localizada no bairro Recanto do Lago e foi construída no início da década de 1970 e destruída em 1991. Relatos sugerem que ela foi o lugar de inúmeros afogamentos, desova de corpos, tragédias com vítimas e também um lugar de interações sociais.

Segundo o antigo proprietário da terra onde foi construída a barragem para represar a água, Walfrido de Freitas Corrêa, em relato feito ao colaborador Domingos Cajueiro, a construção remonta a década de 1970 e ocorreu logo depois de ter vendido aquela parte de sua propriedade. A represa foi construída nas proximidades de onde hoje se localiza o Clube Jacarandá e com o tempo teve o nome associado.

Naquele contexto crescia a população e não havia sistema de abastecimento que atendesse os moradores do então povoado. Informação de um estudo da CEPLAC de 1974 diz que neste período o Córrego Charqueada foi considerado como uma das alternativas viáveis para o abastecimento de Teixeira de Freitas. Algo que, em tese, pode ter motivado a construção do reservatório.

Por aproximadamente 21 anos a represa serviu a população das redondezas como espaço de lazer e  realização de algumas atividades domésticas. Com o tempo se tornou perigosa devido aos constantes afogamentos de estudantes de escolas próximas e trabalhadores, braçais, ambulantes, pessoas abaixo da linha da pobreza, que a buscava com mais intensidade nos fins de semana.

Sobre isso, o senhor Gilberto Bandeirante fez lembrar que na época a represa era um conhecido ponto de “desova” de corpos, vítimas de criminosos e pistoleiros que atuavam na região. Segundo conta foi o afogamento de um rapaz muito conhecido, mais os comentários sobre a prática criminosa, que motivou a demolição da barragem em 1991 e que diversas ossadas humanas foram encontradas no fundo da represa após o esvaziamento.

Conclusões que são semelhantes às do relato de Sebastião Justiniano que cita o afogamento do jovem “Cavaco”, trabalhador braçal muito popular, cujo o corpo foi encontrado após uma busca de cinco dias e que prevendo que tragédias assim ocorreriam outra vez , um grupo de frequentadores decidiram furar a represa criando uma pequena abertura na lateral da mesma com picaretas.

Em relação às ossadas humanas, Sebastião discordou da versão de que diversas foram encontradas no lugar e que “a única coisa suspeita vista foi um fio de energia amarrada a uma pedra ligando a algo muito soterrado pela lama” e que andou por toda extensão após o esvaziamento e não encontrou nada além de restos de animais e madeira.

No contexto, a cidade estava chocada com o desaparecimento do radialista Ivan Rocha e uma intensa procura pelo corpo, não encontrado, ocorria em todos os lugares suspeitos da cidade. Ivan Rocha, 34 anos, havia denunciado pelas ondas da Rádio Alvorada que tinha em mãos um dossiê sobre as atividades de um “sindicato do crime” na região e desapareceu depois disso. É possível supor que o desaparecimento tenha motivado o fim da represa e influenciado às conclusões populares sobre os motivos.

Walfrido Corrêa fez outra declaração sobre o rompimento da represa, em forma de “causo” narrou que o esvaziamento fez uma vítima.Uma jovem que lavava roupas nas margens do córrego, nas proximidades do bairro São José, foi levada pela força da água liberada sem aviso prévio. 

O corpo da trabalhadora rural ficou por três dias desaparecido. Para encontrá-la foi preciso a família recorrer a uma simpatia antiga colocando no córrego uma cuia com uma vela acesa que, seguindo o curso, parou no local exato onde estava o inerte corpo.

Por fim, embora os relatos e perpectivas que embasa o texto referente à represa careçam de mais detalhes, as informações permitem concluir corretamente que enquanto esteve em atividade a represa estabeleceu uma relação aglutinadora com a realidade social, política e cultural de uma parte da população no período relatado.

——————————————————————————————————————

Fontes 

ROCHA FILHO. Carlos Armando. Comissão executiva do plano da lavoura cacaueira . Recursos Hídricos. Rio de Janeiro. CEPLAC, 1976. 

Relatório final da CPI da “Pistolagem”.Câmara dos Deputados. Centro de Documentação e Informação, Coordenação de Publicações, 1994 – 156 páginas.

Crimes por encomenda: violência e pistolagem no cenário brasileiro. César Barreira

Relume Dumará, 1 de jan de 1998 – 178 páginas

Fontes orais: 

Relatos de Walfrido Corrêa captado pelo memorialista e colaborador do site Domingos Cajueiro Correia. Setembro de 2019.

Conversa informal com Gilberto Bandeirante. Julho de 2019.

Conversa informal com Sebastião Justiniano. Junho de 2019

Foto: Acervo

Daniel Rocha da Silva*

Historiador graduado  e Pós-graduando em História, Cultura e Sociedade pela UNEB-X.

Contato WhatsApp: ( 73) 99811-8769 e-mail: samuithi@hotmail.com

O Conteúdo  deste Site não pode ser copiado, reproduzido, publicado no todo ou em partes por outros sites, jornais e revistas sem a  expressa autorização do autor. Facebook.

Ativar as notificações de novas postagens.(Click Aqui)

Veja também:

Filmes que marcaram época na cidade: O exorcista

FILMES QUE MARCARAM ÉPOCA EM TEIXEIRA DE FREITAS: O EXORCISTA

Por Daniel Rocha

Dirigido pelo diretor William Friedkin o filme “O Exorcista” é uma reconhecida produção de terror  de 1973 que causa estranheza em quem assiste, tanto que por onde passou provocou reações estranhas e curiosas. Em Teixeira de Freitas, cidade do extremo sul da Bahia, não foi diferente.

De acordo com o antigo gerente do Cine Brasil, que funcionou até início dos anos de 1990, Jovelino da Costa Rodrigues, mais conhecido como “Figão”, O Exorcista provocou reações e medo na platéia teixeirense que tal como vinha ocorrendo em outras cidades do Brasil não escondeu o medo e graça que sentida.

“O público reagia com comentários, gritos e assovios perturbadores…. Principalmente nas cenas clássicas da adolescente possuída e do vômito,” lembrou Jovelino.

A história do filme começa quando o diabo toma conta do corpo de uma adolescente (Linda) e diante disso sua mãe (Ellen) convoca a ajuda de um padre jesuíta (Von Sydow) para tentar exorcizá-la e salvar sua vida diante do  demônio e dos fenômenos apavorantes.

Ainda de acordo com Jovelino o filme  foi exibido com sucesso por diversas vezes na cidade durante os anos de 1970 e 1980, sempre prestigiados por um grande público formado por adolescentes e adultos.

No passado alguns filmes eram reprisados de acordo o pedido do público que naturalmente escolhia o que melhor agitava seus mitos, visão de mundo, sonhos, desejos e crenças e isso ocorria na cidade onde a fita sempre encontrava audiência.

Por esse motivo o filme americano pode ser considerado um dos que marcaram época na cidade, tanto que em 2001, quando relançado sem cortes, foi exibido com grande sucesso no Cine Teixeira  atraindo a atenção de uma nova geração.

Na ocasião do relançamento internacional  da fita em 2001, a crítica da Revista Veja, Isabela Boscov,  relembrou que quando foi lançado nos Estados Unidos na última semana de 1973, o filme foi recebido desde o primeiro dia com filas que se estendiam por quarteirões e numerosos relatos de crises nervosas durante a projeção.

E que em várias cidades americanas padres e psiquiatras registraram movimentos acima do normal em suas igrejas e consultórios quando o filme  estava em cartaz.

Afirmou também que  no Brasil o mesmo fenômeno se repetiu, embora a maior parte do público reagisse às cenas mais tensas com “risadas e apupos”, como relatou o  Figão ao falar das primeiras exibições na cidade  do filme que marcou uma época.

Fontes :

ROCHA.Daniel; OLIVEIRA.Danilo. Cinema – Contribuição no processo de Formação da Sociedade de Teixeira de Freitas nos anos de 1960, 1970 e 1980.

* Esse texto   teve como fonte a entrevista cedida por Jovelino da Costa Rodrigues em 2009, para o trabalho de pesquisa, monografia, de Daniel Rocha e Danilo Santos de Oliveira.

Revista Veja: 2001, edição, 1689

Veja também:

FILMES QUE MARCARAM ÉPOCA EM TEIXEIRA DE FREITAS : BATMAN – O RETORNO

Daniel Rocha da Silva*

Historiador graduado  e Pós-graduando em História, Cultura e Sociedade pela UNEB-X.

Contato WhatsApp: ( 73) 99811-8769 e-mail: samuithi@hotmail.com

O Conteúdo  deste Site não pode ser copiado, reproduzido, publicado no todo ou em partes por outros sites, jornais e revistas sem a  expressa autorização do autor. Facebook.

Foto : imagem meramente ilustrativa

Ativar as notificações de novas postagens.(Click Aqui)

CAUSOS DA RUA DO BREGA: PARTE 03

 Por Daniel Rocha

Os dizeres “ter uma mulher por conta” ou “colocar uma mulher por conta” são expressões populares na cidade que significa “tornar-se amante de uma mulher e suprir todas as suas necessidades”. Conta uma  antiga moradora que isso ocorria quando um homem solteiro ou casado, apaixonava-se por uma mulher da “Rua do Brega” ou como é conhecida oficialmente “Rua Mauá”. Endereço que no passado, 1960 a 1990, concentrou diversos bares e casas de prostituição em Teixeira de Freitas.

Segundo uma anedota contada por alguns moradores quando a mulher descobria que o marido estava de costume tomar “aquela direção” ou “com uma mulher por conta” ouvia sempre do cônjuge, repreendido, a seguinte frase: “que mal há nisso!” Por essas e outra a rua ficou conhecida como “Rua Mal há”. 

Havia algum mal em frequentar a tal rua? De acordo Maria Aguiar na década de 1970 não havia mal alguns rapazes solteiros procurar o lugar. Isso porque as noivas de família tinham que se resguardar se para o casamento. “O homem era obrigado esperar a noiva, então entendiam que ele tinha que ir. Era normal”. 

Porém o causo “Entrou com moto e tudo” insinua algo que todo mundo já sabe, mesmo depois de casados alguns homens continuavam a frequentar aquela parte boêmia da cidade, como revela a narrativa de uma senhora de 70 anos, popular por memorizar e compartilhar acontecimentos “engraçados” sobre o passado da cidade. O causo foi registrado de maneira informal pelo site em 2013.

Conta a antiga moradora da cidade que, em um ano da década de 1980, uma esposa desconfiada da visita do marido a tais estabelecimentos da Rua do Brega resolveu investigar se ele tinha no local uma “mulher por conta”. O marido muito esperto percebeu que a mulher estava atenta aos seus passos. Porém mesmo assim não deixou de visitar a amante, “afinal cavaleiro que é bom, quando cai, cai bem”.

Diante disso, a esposa desconfiada por vezes percorria dia e noite toda extensão da rua observando se a moto do marido estava estacionada na entrada de uma das casas noturnas da afamada rua. Depois de um tempo policiando o local constatou com base em suas observações que o marido não estava mentindo quando dizia que não era de visitar o lugar. 

Dias depois do ocorrido, durante uma bebedeira, o motoqueiro contou para os “amigos de copo” que ao visitar a amante no bar ou na casa na Rua do Brega não estacionava à motocicleta na porta, como de costume, e sim dentro de um quarto reservado para o encontro. Finalizando a narrativa, entre risos e gritos dos amigos, com a frase que se tornou um meme oral entre eles. “Eu entro é com a moto e tudo”. 

 Fontes: 

Depoimento de Maria Aguiar extraído do trabalho monográfico:

ROCHA. Daniel; OLIVEIRA.Danilo. Cinema – Contribuição no processo de Formação da Sociedade de Teixeira de Freitas nos anos de 1960, 1970 e 1980.

DEL PRIORE, Mary. História do amor no Brasil. 2ª ed. – São Paulo: Contexto, 2005

Narração do “causo”.

Conversa Informal com a senhora M . L  em 2013

Daniel Rocha da Silva*

Historiador graduado  e Pós-graduando em História, Cultura e Sociedade pela UNEB-X. 

Contato WhatsApp: ( 73) 99811-8769 e-mail: samuithi@hotmail.com

O Conteúdo  deste Site não pode ser copiado, reproduzido, publicado no todo ou em partes por outros sites, jornais e revistas sem a  expressa autorização do autor. Facebook.

Causos da “ Rua do Brega”: Parte 02

 Ativar as notificações de novas postagens. (Click Aqui)


Rio de Janeiro 1930: Em Madureira mulher enfrentou difamador

Por Daniel Rocha

O que sabemos sobre a década de 1930 no Brasil? Como viviam os homens e as mulheres? Como eram resolvidos os desentendimentos e as tensões cotidianas em uma sociedade sexista? Naturalmente que não como imaginamos. 

Vejamos o caso de uma senhora que acabou presa por supostamente “agredir” um açougueiro no Rio de Janeiro, de acordo a narrativa publicada pelo jornal carioca O Paiz, de janeiro de 1934. 

Segundo noticiou o periódico, a senhora Carmem Dias, casada com o dono de um açougue que ficava localizada em Madureira, na rua D. Clara, ficou a saber que o empregado do estabelecimento, Annibal Ribeiro, de 23 anos de idade, vivia, pelas cercanias a difamando. 

Conta o jornal que certo dia estava o Aníbal à porta de um botequim, próximo ao açougue, quando a senhora o chamou e o interpelou cobrando satisfações sobre o que vinha dizendo aos quatro cantos. 

Repreendido o rapaz quis agredi-la a socos, mas D. Carmem, apanhando um saco de vidros o atacou primeiro fazendo um ferimento no rosto do açougueiro. Por essa razão, logo após o ato, um popular a conduziu à delegacia do 23º distrito, onde foi autuada por agressão”.

O ferido que teve os cuidados médicos no Posto de Assistência do Meyer, recolheu-se depois à sua residência, na casa localizada na rua da estação. Para além dos fatos, o que nos revela a narrativa?

Nas entrelinhas é possível perceber os valores presentes nas correlações cotidianas e as tensões nas relações entre os sexos em uma época onde a mulher começava se destacar e conquistar alguns direitos historicamente negados e questionar tabus.

Por exemplo, o direito ao voto em 1932 e uma participação maior  na vida cívica garantido pela nova constituição eleitoral. Na época  as mulheres do movimento modernista como Patrícia Galvão, Pagu, também começavam a provocar discussões sobre o papel da mulher na sociedade. 

Contudo, segundo a historiadora  Mary Del Priore, escrevendo sobre a mulher operária desse período, as mulheres ainda eram tidas como perigosas e indesejáveis para os patrões, perdidas e “degeneradas” para os médicos e juristas e frágeis e infelizes para os jornalistas, embora, como evidencia a narrativa, fora  das fábricas eram também ativas e resistentes a toda tentativa de violência e abusos. 

Fontes:

O açougueiro foi agredido por uma senhora. O Paiz 24 de janeiro de 1934

DEL PRIORE, Mary (Org.). História das mulheres no Brasil. Coordenação de textos de Carla Bassanesi.

Costumes, ídolos e desafios da mulher de 1930. Por Verônica Mambrini, iG São Paulo | 13/09/2010 Fonte: Último Segundo – iG. https://ultimosegundo.ig.com.br/revolucao1930/costumes-idolos-e-desafios-da-mulher-de-1930/n1237772885629.html

Daniel Rocha da Silva*

Historiador graduado  e Pós-graduando em História, Cultura e Sociedade pela UNEB-X. Latees.

Contato WhatsApp: ( 73) 99811-8769 e-mail: samuithi@hotmail.com

Foto: Bairro de Madureira década de 1950

Fonte: mariosergiohistoria.blogspot.com

O domínio e a influência da TV

Por Daniel Rocha

Já é consenso entre os estudiosos e intelectuais da comunicação o fato de que a mídia de massa, televisão, jornais e alguns sites da internet, tem exercido uma grande influência na formação de opinião da população brasileira e mundial, de modo que no Brasil a TV continua sendo a principal fonte de informação para maioria. Fortemente influenciada por ela.

Mas porque isso acontece? Na minha perspectiva isso ocorre devido à falta de um marco regulatório e o fato de que os meios de comunicação de massa não abordam, dentre outras coisas, pesquisas, estudos e informações sobre os males causados pela sua influência no ambiente macro social e político do país em seus programas e reportagens. Produções enviesadas que estimula a bestialização e a derrubada de governos democraticamente eleitos.

Nesse sentido, a título de ilustração, é possível aprofundar sobre o exposto na reportagem “Mídia brasileira, monopólio e manipulação política” veiculada originalmente no Programa The Listening Post da rede de tv Al Jazeera, que abordou o monopólio da mídia brasileira e as consequências desse acúmulo de poder econômico e midiático para a política e a sociedade brasileira, vídeo disponível no YouTube no canal do Mídia Ninja. Confira!

 

“Poti Loiro” um capoeirista teixeirense

Por Daniel Rocha

Na década de 1970 com a chegada da superintendência da polícia militar no então povoado de Teixeira de Freitas, BA, a violência passou a ser contida através de constantes rondas policiais. Segundo um causo rememorado por moradores essa insistente vigilância provocou a ira dos boêmios e do capoeirista “Poti Loiro”, lembrado como um herói às avessas e popular.

Segundo alguns relatos, até a década de 1960 não havia policiamento intensivo em Teixeira de Freitas e por isso a população convivia com os boatos sobre a ação de pistoleiros, brigas e assassinatos ocorridos em meio a escuridão de um lugar abastecido por geradores elétricos,  ativos apenas até às dez horas da noite.

Essa rotina, perceptível para quem visitava o povoado, e bem visível para quem morava nele, só foi modificada com a chegada da rede elétrica e da superintendência da polícia militar, que prontamente instituiu a vigilância e rondas policiais em uma época marcada pela expansão urbana e demográfica e constantes exibições de filmes do Bruce Lee na tela do primeiro cinema da cidade, o Cine Elisabete.

Embora essas transformações possam ter sido recebidas com euforia pelos moradores locais, a constante vigilância policial em certas ocasiões provocou também a insatisfação de grupos e pessoas habituadas a circular livremente pelo lugar, revelam os causos da época.

Conforme um dos causos ouvidos pelo  capoeirista Sebastião Sérgio, filho de migrantes mineiros,  em uma das rodas de capoeira que frequentou quando criança, realizada na casa de migrantes soteropolitanos  na década de 1970, alguns praticantes da arte marcial como “Poti Loiro” tiveram problemas com recrutas, policiais, responsáveis pelo policiamento local.

Na narrativa ouvida e rememorada por ele, no início da década  de 1970 quando estava a passar pela praça, hoje chamada de Praça da Bíblia, o jovem “Poti” um magro, alto, branco, cabeludo, vestido a maneira hippie, que gostava de fumar livremente “peitou” oito policiais armados nas imediações da  antiga Praça em demonstração de força, valentia e contestação.

Segundo ouviu dizer  toda essa reação foi porque o rebelde “Poti Loiro” teve a infelicidade de cruzar o seu caminho com nada mais, nada menos  que oito recrutas armados que ordenados por superiores, o repreendeu com violência e brutalidade diante de diversos moradores e passageiros que aguardavam o ônibus na  Rodoviária , hoje conhecida como “Rodoviária Velha”.

Ainda de acordo com a narrativa do capoeirista  “Já havia entre eles uma rixa”e por esse motivo foi convidado a se retirar do lugar  de modo que ao ser tocado com força “Poti” teria reagido em fúria dando mostra de grande habilidade , golpes rápidos como saltos, parafusos mortais e meia-lua que levou ao chão os “repressores” que na sequência o conduziu até a delegacia, solto horas depois do ocorrido.

Segundo um morador, que preferiu contribuir para essa construção de forma anônima, ao ser perguntado se conhecia o causo “Poti Loiro” e as razões da confusão, respondeu que sim ressaltando que naqueles tempos a falta de iluminação pública favoreceu muito para que houvesse embates e confrontos dos responsáveis pelo policiamento com os boêmios e outros moradores.

“Só existia iluminação via gerador elétrico que funcionava até às dez horas da noite. Por essa razão recrutas percorriam as ruas do então povoado repreendendo às pessoas, sobretudo os boêmios na Rua do Brega com certa dose de exageros… Acontece que Poti era contra esse tipo de repreensão e quando presenciava ou era repreendido de alguma forma reagia com força… Eu não me lembro dessa história da Praça da Bíblia, mas  pode ter acontecido. Sei de uma que ele afrontou os recrutas que repreendia um grupo de estudantes que namoravam na rua durante a noite (…). Poti era muito querido por todos e às vezes temido”.

Ainda de acordo com o morador que gosta de lembrar-se de sua vida “pregressa” como boêmio contumaz na Rua do Brega, rua boêmia, “Poti” era de família rica e os policiais “considerava isso” antes de fazer qualquer coisa com ele. “Daí também sua coragem e valentia”.

Já Mário Santos Almeida, natural de Medeiros Neto, quarenta anos morador na cidade, afirma ter tido a oportunidade de “conhecer de vista” Poti Loiro era “uma figura conhecida e popular que não passava despercebido em Teixeira”.

Em conformidade com essa perspectiva, Mário Santos o descreveu como um Bruce Lee local, um rapaz forte, rebelde que  era compreendido como um “brigão e valente”, mas que na realidade raramente se envolvia em confusões.

Contudo, lembra, que quando “Poti” era de alguma forma repreendido reagiam com ânimo, vigor e com a  boa capoeira que lhe conferiu a fama, por isso acredita que o causo do enfrentamento dado na Praça da Bíblia é verdadeiro.

Mário também ratifica que naqueles tempos os recrutas  reagiram de forma ríspida, “tinham suas razões.” Porém acredita que o confronto não tem nada a ver com o fato de Poti ser um capoeira ou qualquer outra coisa.

“Na verdade ninguém gostava da vigilância desses agentes (…). Todos tinham vontade de partir pra cima, porém só “Poti” tinha o tamanho, a força, a coragem e o status para isso”.

Ao ser informado desses novos detalhes Sebastião Sérgio “o mestre Pinote” afirmou apenas que na versão que conhece, a que ouviu quando criança, “Poti Loiro” enfrentou e derrotou com golpes de capoeira policiais armados no centro do povoado, não sendo possível discordar ou concordar com outras perspectivas.

Fontes

ROCHA.Daniel; OLIVEIRA. Danilo. Cinema – Contribuição no processo de Formação da Sociedade de Teixeira de Freitas nos anos de 1960, 1970 e 1980.

Fontes Orais:

Sebastião Sérgio, conversa informal realizada em  novembro de 2016.

Mário Santos , conversa informal em março de 2017.

Morador anônimo,  conversa informal em  agosto de 2017.

Diversos moradores contribuíram com informações sobre que certificaram os fatos expressos, a todos  o nosso agradecimento.

Foto: Capoeiristas desfilam no sete de setembro de 1975 na avenida Getúlio Vargas.  Acervo do Departamento de cultura de Teixeira de Freitas. Pesquisada e cedido em 2016.

Veja também:

Teixeira de Freitas Secreta : A igreja subterrânea

Memória Estudantil

Se você chegou até aqui parabéns! Tens o hábito da leitura.

 

 

 

A canção não oficial da Copa de 1998 em Teixeira de Freitas

 

Por Daniel Rocha

Quando procuramos ou compramos um Game Play esportivo para jogar a última coisa que pensamos é na trilha sonora, afinal queremos apenas nos divertir. Porém em alguns momentos o tema principal e a trilha ,como o todo, roubam a cena e marca para sempre uma geração, como por exemplo marcou a música Song 02 da banda Blur, do Game Play FIFA Soccer 1998, uma das músicas não oficiais de maior sucesso da história do evento esportivo.

 

Videogame locadora (7)

 

A música é uma das mais lembradas em época de Copa do Mundo pela geração do final dos anos 1990 que perdia tardes inteiras nas badaladas games. Em Teixeira de Freitas a Sport Games que ficava na Av. Getúlio Vargas e que atendia os jovens dos Bairros Bela Vista e Recanto do Lago, chegou a organizar torneios de Winning Eleven 03 em 1998, Copa na França, o mais popular da época, ao som do tema principal da FIFA Soccer a pedido dos jogadores e espectadores hoje saudosos da época e ligados na copa da Rússia 2018 . Nunca ouviu? Confira!

 

Foto: Imagem ilustrativa

 

 

 

A segregação das identidades em Teixeira de Freitas

Por Daniel Rocha

Tem crescido na cidade de Teixeira de Freitas um sentimento de segregação que se expressa na construção de fronteiras invisíveis evidentes através  da adoção de um modelo de sociedade que possibilita a lógica da “guetização” da  identidade local.

É importante salientar que não existe uma situação de segregação, mas a meu ver pode se dizer que há um sentimento parecido em vigor que ganha força com o avanço de um modelo de sociedade que tem valorizado, de forma intensa, a formação de grupos e guetos sociais em um processo de  “guetização” das identidades culturais.

Atualmente, percebe-se que, o discurso de que a “localização define seu status social” já pode ser compreendido como um sintoma desse sentimento crescente na cidade quando, por exemplo,  se analisa, informalmente, o modo que lidamos com as classificações dos espaços de residências como bairros para os ricos e bairros para os pobres, condomínios do governo, condomínios de luxo etc.

Categorização que evidencia uma lógica da guetização dos locais de convivência e  também dos cidadãos que acabam rotulados por denominações ligadas a essas separações.

É válido ressaltar que outros fatores arrojaram esse sentimento nas últimas décadas na cidade e no país como o avanço do individualismo, o crescimento desordenado da cidade, as redes sociais e disseminação pela mídia de costumes estranhos à cultura, memória  e identidade local.

O resultado desse enquadramento é a crescente mutação e empatia de alguns quanto a diversidade social existente na cidade e o abandono  de eventos tradicionais de vivência e manifestações populares,por exemplo, como as festas juninas que a cada ano têm  sido levadas para espaços privados e fechados onde prevalece o viés da capitalização da tradição.

Tendo em vista esses pressupostos, compreendo que há em Teixeira de Freitas a manutenção e o fortalecimento das fronteiras invisíveis que vem se consolidando através de um modelo de sociedade que possibilita a lógica da “guetização” que também influencia o modo como o cidadão vem interpretando o conceito de igualdade, cidadania, cultura e identidade nos últimos anos.

MAIO DE 68

Na Champs-Élysées, uma multidão

Empunha a liberdade guiando o povo,

Ao som de canções a iluminar a noite.

O delírio é palpável,

Como a utopia tomando o poder.

Um século de história

Revividos na intensidade

Daquele instante: éramos Maio de 68.

Onde está tudo isso agora?

Erivan Santana

 

Veja também: 

Revolução dos cravos

A estrela d’alva e o sol

Juízo final

A carta

Fim de tarde

O ensaio de Maitê