O “Elefante Branco” de Teixeira de Freitas

Por Daniel Rocha*

Você sempre perguntou, mas nunca obteve uma resposta: o que é mesmo aquele enorme galpão localizado em frente ao cemitério Jardim da saudade em Teixeira de Freitas? Quando foi construído? Para qual finalidade?  

Obviamente que estamos falando do Armazém da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) estatal criada em 1991 a partir da fusão das extintas Companhia Brasileira de Alimentos (COBAL) e Companhia ‘Brasileira de Armazenamento (CIBRAZEM) erguido entre 1986 e 1987 com a finalidade de armazenar os grãos oriundos da agricultura local .

Construído durante o governo de José Sarney (PMDB) o armazém que fica localizado na Avenida Euclides da Cunha nº 270 – no bairro Nova Teixeira é chamado popularmente por alguns de “Elefante Branco” (obra públicas sem utilidade).

Segundo noticiou o jornal o Estado de São Paulo de outubro de 1987, pairam suspeitas sobre o processo de licitação e construção do galpão, em um só dia a empresa recebeu a oferta, analisou, aprovou comprou e pagou dois armazéns no valor de 100 Milhões de cruzeiros para os municípios baianos de Teixeira de Freitas e Ribeira do Pombal. Destacou:

“Preocupada com a aproximação da safra, a empresa dispensou a concorrência pública, conforme lhe faculta a lei quando se trata de uma aquisição de urgência. (…) As duas unidade  com área suficiente para armazenar 2 mil toneladas de grãos. Especialistas em construção civil sustentam que os dois armazéns poderiam ter ficado pela metade do preço se fossem construídas em alvenaria”.  Sublinhou o jornal

No título da notícia, CIBRAZEM: elogio à “eficiência”, é plausível a ironia do periódico que por alguma razão não cita os nomes dos políticos ou ruralistas envolvidos no processo de reivindicação ou liberação. Carregado de silêncios o assunto é tratado apenas como um acontecimento relevante para o conhecimento do público.

O galpão foi construído no mesmo período em que a “Máfia dos Grãos” formada por ruralistas e políticos foi formada “através da liberação de subsídios dados a correligionários políticos de ministros e do presidente da república para a construção dos Armazéns” sob o argumento que era preciso diante das expectativas das super safras agrícolas de 1986 a 1988 ”. Denunciou reportagem do Diário do Congresso Nacional de 18 de junho de 1994.  

Na época em Teixeira de Freitas à política e o agronegócio “andavam juntos”, contudo foi encontrado documentos que associa a construção do armazém em Teixeira de Freitas às denúncias do CTU sobre a chamada Máfia dos Grãos, nesse sentido qualquer aproximação deve ser compreendida como mera suposição.  

O que é factível e que em 1987 a região enfrentou uma estiagem sem precedentes e que no período de 1986 a 1990 a expansão agrícola diminuiu sob o avanço do negócio do Eucalipto na região, ou seja, um cenário não favorável as grandes safras agrícolas e consequentemente um retorno possível do investimento feito na construção do Armazém, considerado “antigo” por um político local, cinco anos depois da construção.  

Em 1992 foi cogitado converter o lugar em um ginásio de esportes ,reivindicação dos jovens da cidade, e também transformar o lugar em um centro de distribuição da estatal estadual Cesta do Povo, nenhuma das alternativas foram concretizadas.  

No presente, abandonada em plena área urbana, o armazém que pertence ao governo federal não serve nem para ponto de referência ,já que o cemitério cumpre bem essa função, foi transformado em um lugar público sem utilidade, ou seja, em um grande “Elefante Branco”.  

Fontes :

Informações sobre o processo de licitação

Cibrazem: elogio à “eficiência” O estado de São Paulo. 15 de outubro de 1987. Agência estado. DF

Informações sobre a Máfia dos grãos

COSTA. Raimundo. Alimentos desviados do governo seriam suficientes para alimentar 40 milhões de pessoas por um ano. Diário do Congresso Nacional. Seção I, Ano XLII,  18 DE JUNHO DE 1994. DF.

Informação sobre a queda da expansão agrícola 1985-1990.

KOOPMANS. Padre José. Além do Eucalipto: O papel do Extremo Sul. 2005.

Informação sobre a consideração de fazer uso do espaço como depósito da Cesta do Povo e ginásio de esportes.

Revista Regional Sul. Teixeira de Freitas – Bahia. Março de 1992.

Estiagem que prejudicou a safra agrícola.

LIMA, Evandro. Estiagem preocupa agricultores. Jornal A tarde. 28/10/1987.

Daniel Rocha da Silva*

Historiador graduado  e Pós-graduando em História, Cultura e Sociedade pela UNEB-X. Latees.

Contato WhatsApp: ( 73) 99811-8769  e-mail: samuithi@hotmail.com

O Conteúdo  deste Site não pode ser copiado, reproduzido, publicado no todo ou em partes por outros sites, jornais e revistas sem a  expressa autorização do autor.

One thought on “O “Elefante Branco” de Teixeira de Freitas”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *