A escola sem partido e outras intempéries

Por Erivan Augusto Santana*

Segundo o notável filósofo grego Aristóteles, o homem é um animal político, vivendo em uma sociedade política. O modo como falamos, a roupa que vestimos e até mesmo como nos alimentamos – se constituem em atos políticos. Portanto, mesmo que desejássemos, não podemos ser neutros, politicamente falando.

Desta forma, é impensável imaginar a neutralidade do professor em sala de aula ao ministrar os conteúdos programáticos das disciplinas curriculares, já que estão interligadas naturalmente a questões políticas e sociais.

Apesar da sua opção política, cabe ao professor  oferecer aos alunos o multiculturalismo da história humana. Adam Smith e Karl Marx, Émile Durkhein e Michel Foucault: cada um deve ser livre para fazer suas escolhas – no entanto –  e aqui entra o papel do professor, é importante disponibilizar subsídios aos educandos para tal empreendimento.

Outra notícia que vem preocupando a comunidade acadêmica é a possibilidade, indicada pelo atual governo Temer, da retirada ou diminuição das disciplinas de Artes, Educação Física, Sociologia e Filosofia da grade curricular no ensino médio.

É preciso assinalar que estas disciplinas simbolizam o  avanço da Escola Nova , liderados por pensadores como Anísio Teixeira, Lourenço Filho e Paulo Freire, entre outros. Significam o triunfo do pensamento crítico, reflexivo, sobre o mundo que nos rodeia e que queremos transformar, reescrevendo-o a partir de uma constante leitura de mundo em sintonia com o humano, com a vida e com a natureza. São disciplinas extremamente necessárias, em um mundo cada vez mais materialista e consumista.

A pedagogia moderna caminha rumo à interdisciplinaridade, onde todas as disciplinas têm igual importância no desenvolvimento e formação do educando, e a área de Humanas em muito tem contribuído para um mundo mais crítico, reflexivo, justo e solidário.

 

Artigo originariamente publicado no jornal A Tarde, em 24/10/16

*Erivan Augusto Santana – Professor, escritor e poeta. Mestrando em Ciências da Educação, Padma/Unigrendal.

 

2 thoughts on “A escola sem partido e outras intempéries”

  1. Pingback: Tirabanha -

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *