O SANEAMENTO BÁSICO NA HISTÓRIA DE TEIXEIRA DE FREITAS: PARTE 04

Por Daniel Rocha

Em 1970, estimou-se em 54% o percentual de população urbana com abastecimento de água no Brasil. Em 1971 o governo federal criou o PLANASA – Plano Nacional de saneamento. O PLANASA foi a primeira iniciativa federal no sentido de instalar serviços de água e esgoto em cidades que experimentavam franco crescimento no Brasil.

Como parte do plano em 11 de maio de 1971 a Bahia ,como outros estados do Nordeste, adere ao programa e cria a estatal EMBASA – Empresa Baiana de Águas e Saneamento S.A para desenvolver projetos, construir, ampliar e reformar diversos sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário em todo o estado.

Em 1974 o então povoado de Teixeira de Freitas passou a contar com os serviços de água encanada ofertado pela EMBASA. Porém mesmo depois da oferta do serviço ,e anos depois disto, alguns moradores precisavam recorrer a rios, lagos, minadouros para realizar os afazeres domésticos.

 Diante destes fatos surge a pergunta: por que  com o serviço de água encanada  disponível os moradores faziam uso de outras fontes para o abastecimento?

Infelizmente as dimensões deste espaço não nos permite ir além das evidências e suposições de uma questão tão complexa.

A primeira suposição e de que o sistema de distribuição já foi inaugurado com uma capacidade insuficiente. Suponho isso de acordo com a entrevista do médico Jacob Muniz Medeiros a revista Teixeira de Freitas, 1985.

Segundo Jacob o sistema de distribuição inaugurado em meados da década de 1970, para atender a população até o ano de 1990, já se mostrava deficitário no dia da inauguração.

Destaca o médico ouvido pelo repórter Flakin de Queiroz em 1985 que o sistema era formado por dois reservatórios com capacidade de 500 mil litros, que no total atendia a 6.212 ligações domiciliares.

Com base nesta curta afirmação e na fala de populares suponho que mesmo tendo a cidade um sistema de tratamento de água em operação, na prática era como se não houvesse por conta da ineficiência do sistema.

A segunda suposição é que o gosto ruim desencorajava o consumo da água . Conta Vitória Lemos, 70 anos, que trabalhou do final da década de 1970 a meados da década de 1990 como “aguadeira”, pessoa encarregada de pegar água em minadouros em troca de dinheiro.

 Alegre e sorridente dona Vitória contou em uma conversa informal que criou os filhos trabalhando duro,  levantando cedo todos os dias para pegar com uma lata na cabeça água de uma bica que fica no fundo do Clube Jacarandá.

 A clientela era formada por algumas famílias da classe alta do bairro Recanto do Lago onde exerceu ofício até  meados de 1994. Ainda de acordo com a moradora os moradores vinham de lugares já “desenvolvidos” que ofertava água de boa qualidade.

Considerei a possibilidade do possível custo afastar os mais humildes do consumo da água encanada, mas logo descartei a suposição ao ouvir de moradores que a taxa era e irrisória. Por fim, suponho, que a oferta ineficiente e a qualidade da água levava os moradores a procurar fontes alternativas.

No ano de 1995, o sistema de distribuição foi ampliado melhorando a qualidade da oferta de água encanada no município que sofria com constantes interrupções do serviço sempre justificados como sendo provocadas por quebra de peças que demorava chegar de Salvador.

Em 31/03/1997, o município de Teixeira de Freitas delegou a empresa Baiana de Saneamento (EMBASA), por meio de contrato de concessão, a exploração dos serviços públicos de abastecimento de água e de coleta, remoção e tratamento de esgoto sanitário com validade de 20 anos, devendo ser substituído pelo plano municipal de saneamento básico em 2017.

Nos últimos anos a EMBASA foi alvo de muitas críticas e reclamações ,em redes sociais, devido a qualidade e a falta de água em diversos bairros da cidade que no presente  conta com córregos e minadouros poluídos ao extremo.

Fontes:

 BANCO DO NORDESTE.  As origens. Teixeira de Freitas, Fortaleza – Ceará. Janeiro 1986

http://www.embasa.ba.gov.br/institucional/embasa/historia.  Acessado em 15/08/15

http://www.bvsde.paho.org/bvsacg/e/fulltext/planasa/planasa.pdf.  Acessado em 15/08/15

http://radar101.com.br/2014/12/embasa-de-teixeira-de-freitas-e-alvo-de-muitas-reclamacoes-nas-redes-sociais/.  Acessado em 01/08/15

 

Fonte Oral.

Vitória lemos. 25/07/2014

http://liberdadenews.com.br/index.php/politica/9793-governo-municipal-cobra-da-embasa-melhor-abastecimento-de-agua-na-cidade


Vejam também:

Saneamento na história de Teixeira de Freitas Parte 02

Saneamento na história de Teixeira de Freitas Parte 03

Os nomes que Teixeira de Freitas já teve

O cine Horizonte

O comércio de Teixeira de Freitas

História da Expo Agropecuária de Teixeira de Freitas

O causo do Boitatá

O causo do nó da mortalha

Emancipação: História e memória

One thought on “O SANEAMENTO BÁSICO NA HISTÓRIA DE TEIXEIRA DE FREITAS: PARTE 04”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *