Praça dos leões: Parte final

Por Daniel Rocha

Segundo Godoaldo Amaral, em conversa informal com Domingos Cajueiro Corrêa, a urbanização da Praça dos Leões, que fica na parte central da cidade, foi realizada na administração do prefeito Gerson de Oliveira Costa, vulgo “Caboclinho”, entre os anos de 1972 e 1982. 

Já para o senhor Almir Santos, morador da cidade desde 1960, a Praça dos Leões foi construída em 1974; feita para recepcionar o governador Antônio Carlos Magalhães que em 1971, havia visitado a capela de São Pedro e prometido voltar novamente.

Na segunda visita do governador em 1974, ele discursou sobre o projetos para a região e aproveitou a oportunidade para prometer “a luz de Paulo Afonso” ,que chegaria a cidade meses depois.

Recorda e conta o senhor Almir Santos que houve até um acidente antes da chegada do governador ao local; pessoas subiram em uma marquise de uma loja próxima para ouvir o discurso e a mesma não suportou o peso e cedeu deixando feridos.

Mas o que simboliza os leões na Praça? O senhor Godoaldo Amaral afirma  que a colocação das estátuas de leões na Praça, foi uma sugestão da administração municipal de Alcobaça. 

Segundo José Sérgio, da fazenda Cascata, em uma conversa informal no mês de Abril de 2014, os Leões não simbolizam nada, são meras figuras decorativas que por obra do acaso se tornaram o cartão postal do povoado.

O senhor Almir Santos também pensa o mesmo em relação às estátuas: “não tem explicação, foi para decorar”.

Com sentido ou não, os Leões de concreto serviram como referência para a população que cravou a alcunha Praça dos Leões ao local inicialmente chamada de Praça Castro Alves.

Mas quem frequentava a praça? Como todas das primeiras décadas, era um ponto de parada para os casais de namorados, sobretudos dos fiéis da igreja São Pedro.

Recorda à senhora Marli Gomes, que na década de 1970, algumas moças solteiras tinham como programa ir à missa, ao cinema e passear na praça dos leões, “Passeio comportados”.

A fala da senhora Marli evidencia como a praça marcou e ainda marca a memória dos moradores desta cidade; para se ter uma ideia, não é difícil encontrar um morador que tenha uma foto tirada lá.

Da mesma forma que os leões, outra coisa encantava os moradores: a fonte no centro da Praça, um encanto para os olhos.

“Era algo que não se via em cidades vizinhas” destaca Marli Gomes. Com saudade recorda que,  na década de 1990, o chafariz ficou abandonado e sujo.

Na reforma da Praça, realizada no ano 2000, feita na administração do prefeito Wagner Mendonça, as esculturas batizadas popularmente foram reformadas e mantidas. No centro da praça, foi colocado um monumento que lembra “A Pedra do Rei,” inspirado no desenho animado o Rei Leão (1994).

HOOIJ, Frei Elias. Os desbravadores do Extremo sul da Bahia, Belo Horizonte, 2011.

Conversa Informal com Godoaldo Amaral 2014

Conversa Informal com Almir Santos em 2013.

Conversa Informal com José Sérgio da Fazenda Cascata 2014.

Entrevista com Marli Gomes 2009

Vejam também:

Praça dos Leões: O marco zero da cidade parte 01

Praça dos leões: O marco zero da cidade. Parte 02

Praça dos Leões: O marco zero da cidade. Parte 03

Futebol em Teixeira de Freitas: Parte 01.

A Praça da Antiga Prefeitura.

Mulheres parteiras em Teixeira de Freitas parte 01

Mulheres parteiras parte 02.

Mulheres parteiras em Teixeira de Freitas parte 03

A exploração da Madeira parte 01

 Comidas típicas em Teixeira de Freitas parte 01.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *