Revolução dos cravos

 

Ao romper a manhã, 

o povo ocupa as ruas 

na Cinquentenário, 

na Paulista, 

na Candelária, 

no Farol da Barra. 

 

Na esquina do café, 

uma moça entrega  

uma rosa ao soldado, 

e logo várias rosas 

são entregues em 

meio à multidão. 

 

Na tv, Bethânia recita 

Castro Alves e Pessoa; 

e no muro está escrito:  

rEVOLution! 

Erivan Augusto Santana 

Veja também: 

A estrela d’alva e o sol

Juízo final

A carta

Fim de tarde

O ensaio de Maitê

One thought on “Revolução dos cravos”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *