Causos da “ Rua do Brega”: Parte 02

 Por (Daniel Rocha)

No ano de 1970, a “Rua do Brega”, como era e ainda é conhecida a rua Mauá, no centro da cidade de Teixeira de Freitas, viveu seu período de maior efervescência com o funcionamento de diversas casas de prostituição. 


Em conformidade com informações prestadas por anônimos e ex-frequentadores, afirmo que eram tantas as casas e prostitutas, o que tornava impossível passar por lá e não perceber que ali, entre becos e ruelas, era um local destinado à atividade. 

De passagem pelo, então, povoado de Teixeira de Freitas , no ano de 1977, o repórter Monforte, do Estado de São Paulo, observou que a zona de baixo meretrício era a região mais desenvolvida do povoado e afirmou que “de 76 para 77, o número de prostitutas dobrou, chegando a mais de duas mil.”

O repórter não deixou claro como chegou a esse número e nem faz aprofundamento do assunto. Alguns frequentadores, ouvidos por nós, e que não vamos revelar os seus nomes, discordam do número estimado por aquele jornalista paulistano. Um desses que frequentavam a “Rua do Brega”, acerca da quantidade de mulheres,  relata que “eram muitas de vários lugares, mas não chegava a tanto.”

Segundo alguns moradores ouvidos, devido o rápido crescimento do povoado de Teixeira de Freitas, no final da década de 1960 e durante toda a década de 1970, as cidades vizinhas começaram a perder importância econômica. Isso, inclusive, também refletiu na badalação da Rua Mauá, ou melhor, segundo diz a tradição, da “Rua do Brega”.

Assim como outros trabalhadores que migraram para o povoado em busca de melhores condições de vida e de dinheiro, as mulheres prostitutas migraram para a Rua Mauá em busca de novos clientes.

De acordo com o ex-frequentador, de sobrenome Gomes Santos, algumas eram naturais da Rua Ubá, em Nanuque – MG, da Rua da Poeira, em Alcobaça – BA e da Rua Céu Azul, em Caravelas, e de outras localidades vizinhas. Estas ruas citadas, também chamadas de baixo meretrício naquelas cidades, tiveram seus auges na década de 1930, com a prosperidade daqueles municípios.

Se de fato existiu essa migração, uma das causas foi a decadência econômica das cidades de Caravelas, Nanuque, Alcobaça e Medeiros Neto, provocada pela abertura de estradas como a BR-101 e a desativação da linha férrea Bahia-Minas.

Embora não haja estatísticas sobre o assunto, é possível obter alguns detalhes acerca destas mulheres e sua rotina nos causos contados pelos munícipes, antigos frequentadores da conhecida “Rua do Brega”.

Apesar de carregados de anedotas e graças aos causos conhecidos e contados em rodas masculinas de bate-papos, realizadas em diversos bares e botecos da cidade, resgatam e preservam a memória local, além de acender uma luz no “desconhecido” do passado da Rua Mauá, bem como de Teixeira de Freitas.

 

O causo da  mudança

 

José Pereira saiu de Itabuna e chegou a Teixeira de Freitas no final da década de 1970 influenciado pelo irmão mais velho, Marcos Pereira, que enviava cartas falando que o lugar era bom para emprego e dinheiro.

 Tal como o irmão Marcos, José chegou à cidade antes do pai, João Pereira. O primeiro emprego que encontrou, sem dificuldade, foi o de ajudante de caminhoneiro. Já tinha experiência como ajudante de transporte de cargas.

Certo dia, uma “mulher do brega” contratou os serviços do caminhoneiro para levar a mudança dela para a cidade de origem, em Medeiros Neto.  A cliente prometeu a boa grana.

Em plena manhã, pararam na dita rua, pegaram a mudança e colocaram-na no caminhão. Antônio cedeu o lugar na cabina para a cliente e o seu filho, ambos moradores daquele lugar.

Foi na carroceria até o destino, encarando poucas e boas da estrada. Durante a viagem a mulher não se manifestou em nenhum momento, chegando a Medeiros Neto, após o descarregamento da mudança, o motorista apresentou o valor do serviço prestado. A mulher, de forma inesperada, recusou-se a pagar pelo trabalho.

O caminhoneiro, então, ameaçou chamar o “soldado” para denunciar a recusa. Depois de muita luta, a mulher sacou da aba do vestido uma quantidade volumosa de dinheiro e pagou o combinado. O caminhoneiro, antes de partir, olhou com olhar de intimidade para mulher e disse:

– De graça nesse mundo nem seu amor. Entrou no caminhão e seguiu viagem.

Fonte:

MONFORTE. Carlos. A pose inlegal de terras provocas mortes.Maio – 1977.11º caderno.O estado de São Paulo.

Veja também:

O causo da Rua do Brega: Parte 01

O Saneamento Básico na História de Teixeira de Freitas parte 1

O causo do Batizado

O causo do vinho em Helvécia

Futebol em Teixeira de Freitas: Parte 01.

Memória Estudantil

————————————————————————————————————————————————–

Especial Teixeira de Freitas 30 anos:

Mosaico de histórias

 

Foto: http://www.fredcunhanews.com/

 

garotadeprogramateixeiradefreitas