A multirreferência em Deadpool 2

Por Daniel Rocha

Tão eficiente como o primeiro filme da franquia lançado em 2016, Deadpool 2 (Em cartaz) traz durante duas horas de filme diálogos recheados de divagações com citações a personagens e filmes, séries, música e desenhos animados da cultura pop, que evidencia a tendência multirreferencial das recentes produções americanas.

Essa nova investida de Hollywood é certeira, pois, muni os nerds, eternos consumidores, de status por ter visto os filmes referenciados e atiça a curiosidade dos que não conhecem para os produtos citados.

A multirreferência ajuda o expectador a vivenciar experiencias novas e a indústria lucrar ainda mais para além da quebra da 4º parede, tão bem explorada pelo personagem do filme, que não economizam em citações e piadas, por exemplo, feitas com produções da DC e personagens do  universo dos X- Men.

Porém o filme não se resume apenas nisso, Ryan Reynolds entrega um Deadpool fiel aos quadrinhos e a si mesmo, Josh Brolin um Cable de motivações convincentes e Zazie Beets uma simpática Dominó e seus poderes de sorte.

A sequência é bem divertida e mais uma vez rompe com o velho clichê “herói com poderes especiais salva o mundo da destruição” e diverte com doses cavalares de ação, humor escatológico e referência a cultura pop.

DEADPOOL   02

CINESERCLA PÁTIOMIX TEIXEIRA DE FREITAS

Sessões:

18:30H / 20:50H / 21:00H

CINE TEIXEIRA

Sessões:

18:00H / 20:30H

 

 

Informações Adicionais:

Classificação: 18 ANOS

Gênero: AÇÃO / COMÉDIA

Duração: 2H00MIN

Dublado

*Programação sujeita a alterações.

MAIO DE 68

Na Champs-Élysées, uma multidão

Empunha a liberdade guiando o povo,

Ao som de canções a iluminar a noite.

O delírio é palpável,

Como a utopia tomando o poder.

Um século de história

Revividos na intensidade

Daquele instante: éramos Maio de 68.

Onde está tudo isso agora?

Erivan Santana

 

Veja também: 

Revolução dos cravos

A estrela d’alva e o sol

Juízo final

A carta

Fim de tarde

O ensaio de Maitê

Sindicato avança em negociação em Mucuri

O SINDACESB -Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde e Endemias do Extremo Sul da Bahia.  através de seus representantes: o coordenador geral José Félix, o segundo coordenador Cristiano Correia Alves, a secretária geral Cleide Cristina, a Delegada sindical do município de Mucuri Conceição Silva e o delegado sindical Paulo Alves e o Assessor Jurídico da entidade Dr. Nelson Quadros, estiveram no último dia 07 de Maio reunidos a Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Mucuri, presidida pelo vereador Dr. Hélio da Fisioterapia e o secretário da Comissão, o vereador Xandão. Ainda contamos com as importantes presença dos vereadores Isaías Ferreira e Beto Borges.
Também estiveram presentes o secretário de Finanças do município o Senhor  Carlos André Medeiros Kock, o procurador geral do município Dartaian Chaves Menezes, o secretário de Saúde de Mucuri Ronaldo Simões do Nascimento, coordenadora da Atenção Básica Jirlian Pereira Souza Lima, o procurador da secretaria de saúde Dr. Juscelino e representantes do sindicato dos servidores do município (SINDSERVIM), e o assessor jurídico Flávio Vieira.
Tendo como pauta única apresentação da proposta para pagamento do PMAQ (Programa de Melhoria do Acesso e Qualidade) Dr. Hélio presidente da Comissão de Saúde, abriu a reunião Dando boas vindas aos presentes, ressaltou da importância de estarmos novamente reunidos na Casa do Cidadão.
Após intenso debate a cerca da forma de pagamento ficou definido que a administração irá  pagar  o dinheiro referente a premiação  da seguinte forma; 12(doze) meses de 2017 e os 4 (quatro) meses de 2018, totalizando 16 meses em 5 parcelas, sendo a primeira logo após a homologação da juíza. Proposta aceita pela gestão e também com o apoio dos vereadores presentes.
Ficou acordado que os valores serão divididos em partes iguais, mediante as notas de cada Equipe de Saúde da Família na última Certificação (Segundo Ciclo). Assim, ficando eliminadas atas emitidas pelas unidades, definindo meritocracias quanto ao recebimentos dos valores. O que contraria o artigo 4° da Lei Municipal 633/13.
 Criada uma  Comissão para a elaboração das novas planilhas de pagamento
Também foi criada uma  Comissão para acompanhar a elaboração das novas planilhas de pagamento, sendo: dois membros de cada Sindicato, do SINDACESB (Cristiano Correia Alves e Conceição Silva), do SINDSERVIM (Alessandra Mirandola e Rielma), dois membros a serem indicados pelo Conselho Municipal de Saúde e dois membros da Gestão.
Foi decidido que todos que trabalharam nesse período irão receber proporcional aos meses que tenha prestado os serviços. Caso não se encontrem mais no município depositar os valores em conta indicada pelo servidor ou servidora, após contato com os mesmos. Em caso de morte do servidor ou servidora, os valores serão repassados para seus familiares.
Sobre mais esta conquista dos servidores, em especial o ACS e ACE representados pelo SINSACESB, falou o coordenador geral José Félix: “Damos graças a Deus por mais esta conquista” onde devemos atribuir os  méritos a TODOS os servidores dos PSF’S, que acreditaram e confiaram em nossa entidade, na habilidade em negociar, na certeza que procuramos sempre dentro das condições, proporcionar o que for melhor para nossos servidores (ACS e ACE) e demais servidores das referidas Unidades (PSF’S). Pois o direito assiste a todos e TODOS saímos ganhando com esta negociação”.  A LUTA COM CERTEZA É QUEM FAZ VALER A LEI.  Juntos somos mais fortes!

Copa do Mundo 2018 – A febre da troca de figurinhas em Teixeira de Freitas

 

Por Daniel Rocha

Para alguns teixeirenses a Copa do Mundo da Rússia 2018 já começou com o lançamento do álbum de figurinhas da Panini, febre entre algumas crianças, dispostas a fazer de tudo para conseguir os  cromos dos jogadores faltantes, e alguns adultos, colecionadores que, dentre outras coisas,  cobram a tradição da solidariedade na troca para fechar o álbum antes do início oficial do campeonato mundial no dia 14 junho.

2018-03-30-album-panini

A febre das figurinhas da copa vem se espalhando por algumas escolas e locais de trabalho pela cidade e pode ser melhor sentida nas Bancas de Revistas que aproveitando a procura pelo álbum, que custa em média oito reais, e pelo pacotinho de cromos, que custa dois reais, promovem os encontros de trocas que tem atraído um número expressivo de colecionadores.

Na Banca Visão, por exemplo, que fica na praça da Bíblia, a troca é organizada todo domingo pela manhã (a partir das 8hs, até o final da copa do mundo) se tornou um dos locais preferidos dos aficionados de todas as idades.

Para Otávio Mello, 10 anos os encontros são divertidos e possibilita a interação e a amizade entre os colecionadores. “Se você não participa da troca não passa as repetidas e gasta mais dinheiro …. Não tem a mesma graça colecionar sozinho.”

d150cc03-76df-4661-9a21-94f7e55753f5

No entanto durante as trocas é possível perceber um embate de postura entre os colecionadores mais experientes, adultos e idosos, e os mais jovens, crianças adolescentes, garotos e garotas que não hesitam meios para alcançar seus fins de completar o álbum.

Os adultos reclamam que os mais jovens não estão comparecendo a troca com o espírito de solidariedade que deve haver entre os colecionadores. “ Tem meninos que pede pacotinhos em troca de uma figurinha e até mesmo dinheiro quando percebe que se trata de uma mais difícil de ser encontrada, isso desvirtua a ideia de troca.” Desabafa João W. Mendes ,43 anos, que reluta em usar aplicativos  para pedir as poucas figurinhas faltantes pela internet.

90879261-6b02-4449-b5b8-59fea6c684ea

Mesmo assim o clima do lugar é animado e repleto de momentos divertidos proporcionado pela interação dos jovens e adultos em meio aos interesses comuns, evidenciando aspectos atuais do velho e bom embate entre as gerações.

A lenda “Caboco da água”

Por Daniel Rocha

“Existe mais coisas entre o céu e a terra do que possa imaginar a nossa vã filosofia, como também muitos entre as florestas e os rios do extremo sul da Bahia. Conta seu Natalino A. Santos que gosta de lembrar que no prelúdio da década de 1960, quando morava na Vila Marinha, hoje povoado do município de Teixeira de Freitas, ele e o irmão vinham diariamente ao povoado teixeirense, através do rio Itanhém, para vender na feira do próspero povoado produtos agrícolas produzidos na roça do pai, como farinha e mandioca.

Para chegar até o povoado tinha que navegar por horas em canoas guiadas por canoeiros até onde hoje se localiza a ponte sobre o rio na BR-101, a viagem por dentro da mata fechada oferecia perigos comuns na época como o risco de ataque de animais selvagens e aparições de seres sobrenaturais.

Para piorar a situação “os espíritos da selva” atacavam os mais desinformados, por isso desde criança se aprendia com os adultos que ao vê um homem no meio das águas, sentado ou a chamar para o centro do rio, todos deveriam fugir imediatamente do local pois se tratava do temido Caboclo-d’Água . Sobre essa lenda destaca o senhor Natalino:

“Caboco d’Água é igual o Caboco da mata, acontecia do inocente entrar na água ,no raso, e do nada aparecia um homem em pé no meio do rio, ele achava que o desconhecido estava no raso então ia atraído, chegando lá morria afogado ou sugado pelas correntezas do escaldante Itanhém.”

Ainda de acordo com o narrador deste causo o elevado índice de afogamento que vem sendo registrados na cidade nos últimos anos,2012 e 2013, sobretudo de crianças, está relacionado à falta de malícia e conhecimento da lenda por parte dos pais e das crianças, destacando.

“Quando eu era criança na Vila Marinha, meu pai já contava pra gente tomar cuidado, não ficar muito no rio devido estas aparições. Ele também contava que ao navegar pelo Itanhém durante a noite se deparava com vozes e batuques de origem desconhecida dentre as matas.”

Ainda de acordo com o contador de causos, outro morador da cidade que tem o apelido de ”Cheirinho”, costuma contar que certa vez, enquanto pescava no rio Itanhém em Teixeira de Freitas, viu o lendário sentado sobre as águas deslizando sobre as correntes do rio “como se fosse uma folha… Só de calça de tecido comum, sem camisa e com um chapéu de palha”.

Diante da aparição do Caboclo-D’água, um de seus amigos de pescaria, encantado pelo lendário aquático, quase foi levado para o fundo do rio, pois mesmo alertado para não seguir o chamado, ficou hipnotizado e sem ação diante da epifania.

Livre do encantamento “Cheirinho” conseguiu acordar o amigo a tempo. “Se ele tivesse sido encantado também o caboclo levaria mais um. É assim único jeito da pessoa se salvar, os medrosos acordando os corajosos.”