Arquivo da categoria: Uncategorized

Registros do “Dia D” contra o Aedes Aegypti em Teixeira de Freitas

Por Daniel Rocha

Os agentes de combate às endemias do município de Teixeira de Freitas participaram na manhã da sexta-feira (30/11/18) da Semana Nacional de Mobilização dos setores de Educação, Assistência social e Saúde para o combate ao Aedes Aegypti, Dia D.

A mobilização é realizada todos os anos como objetivo alertar a população sobre a importância de combater o mosquito transmissor da dengue, Zika e chikungunya antes do verão , época de maior incidência e reprodução do mosquito.

Na ocasião os servidores públicos ,agentes de endemias, distribuíram panfletos e chamaram a atenção de quem passava pelas avenidas próximas a praça da prefeitura.

A atividade realizada no centro da cidade “no modelo blitz”, busca alcançar os moradores que geralmente não são encontrados em casa para receber a visita e orientação dos agentes de endemias que além da vistoriar os terrenos e quintais também fazem orientação educativa.

“Infelizmente tanto durante a blitz tal como ocorre em algumas visitas domiciliar dos profissionais das endemias nos deparamos com pessoas que ignoram a importância do trabalho preventivo. Precisamos ter consciência que a dengue, zika, febre amarela e chikungunya matam e quando não o fazem deixa sequela”. Enfatizou Rutiléia Pinho Paixão Coimbra, coordenadora do núcleo permanente do Programa Nacional de Controle da Dengue.

Na ocasião os agentes de endemias, Jefferson e Jucélio Pessoa Cunha ,que realizam visitas a cada dois meses nas residências, reforçaram durante a panfletagem que é preciso que a população também faça sua parte vistoriando seus quintais e recebendo devidamente o profissional.

“É importante que o morador busque conhecer melhor a equipe que trabalha no combate ao mosquito, pois são profissionais treinados para enxergar os riscos, algo que uma pessoa comum não consegue”. Frisou Jefferson.

“Fakes News” dificulta o trabalho dos agentes de endemias em Teixeira de Freitas

Notícias de que criminosos estão se passando por agentes de combate à dengue ou que houve roubos de coletes, crachás e bolsas dos profissionais, compartilhado de forma irresponsável via aplicativo Whatsapp, são fakes news ,falsas, e tem gerado medo nos moradores e atrapalhado a recepção dos servidores quando visitam as casas, garante Juscelio Pessoa que trabalha a 16 anos como agente de combate às endemias.

“Tudo isso é mentira porque não tenho conhecimento que de fato ocorreu na cidade algum assalto do tipo. Algumas pessoas que tem demonstrado resistência às visitas domiciliar alegando medo de assaltos (…) Eu mesmo já passei por essa situação e ouvi dizer que alguns colegas também”.

A coordenadora Rutiléia Pinho Paixão lembra que não há nenhum registro policial de que alguma pessoa assalta residências se passando por agente de endemias na cidade ou que tenha ocorrido algum roubo de crachá ou uniformes.

“Quero deixar claro para a população que caso algum dia isso vier acontecer vamos divulgar de forma oficial em canais confiáveis e abrir um boletim de ocorrência para investigação policial. Existe o número do programa que é o 3011- 2763 onde o morador que tiver sisma pode ligar e averiguar junto a coordenação do programa se há profissionais atuando no bairro e o nome do mesmo. Infelizmente tem quem compartilha nas redes este tipo de notícia falsa”.

Sobre a atividade e os riscos do fake news assim se manifestou José Felix, presidente do conselho municipal de saúde e Sindicato dos agentes comunitários de saúde e endemias do extremo sul da Bahia (SINDACESB).

“Esta atividade é de suma importância, para prevenção e conscientização da nossa população. Também, serve como alerta, pois a comunidade ainda não percebeu sua importância, para que tenhamos sucesso no combate a essa tríplice epidemia. E agora temos contra nós, essa ameaça real e que contamina a muitos, com uma velocidade assustadora, que são os FAKE NEWS. Confesso que muito me assusta é que estamos impotentes, diante dessa real ameaça. Só nos resta trabalhar e disseminar a verdade, combatendo também os fake news. Parabenizo os colegas, não só por esta ação, mas também pelo belo trabalho que prestam o ano todo. Juntos somos mais fortes!”

 

O ESTADO DAS COISAS

Erivan Santana*

Este é o título de um filme de produção americana, de 2017, e em que pese o fato de a maioria dos filmes produzidos pelo cinema americano seguirem a linha “blackbusters”, de grande apelo comercial, este se difere, ao procurar analisar a ordem social, poltítica e econômica em que vivemos, através dos conflitos existenciais vividos pelo personagem Brad Sloan, interpretado por Ben Stiller.

O filme mostra um personagem plenamente inserido nos dilemas da era moderna, sempre preocupado em se comparar aos amigos e antigos colegas de faculdade, numa perspectiva de poder, fama e dinheiro. Apesar do filme se ambientar nos EUA, em tempos de capitalismo globalizado, a relação com outros contextos é imediata, incluindo a brasileira.

Nos tempos atuais, não há na verdade, a preocupação em ser feliz, mas uma atenção voltada sobretudo para o sucesso econômico, status social e posses materiais, daí a surgir sempre esta tendência de estar se comparando ao próximo.

Outra tendência, esta amplamente estudada e percebida pelo filósofo francês Michel Foucault em obras como “Vigiar e Punir” e “Microfísica do Poder” é a constante vigilância que ocorre na sociedade moderna, feita pelos indivíduos, uns aos outros, sempre afeitos ao julgamento, sendo que o desenvolvimento tecnológico tem muito a contribuir.

É importante observar que diante de tais realidades, instala-se na sociedade uma espécie de controle, dos corpos e das mentes das pessoas, vivendo em sociedade, sempre visando a interesses de ordem econômica, social e política.

Neste particular, conforme salienta o filósofo francês, até mesmo a educação – que em tese, deveria ser crítica e independente – atua sempre voltada para o “controle disciplinar”, muitas vezes impedindo o desenvolvimento da leitura crítica de mundo pelos discentes.

Portanto, as engrenagens do sistema capitalista globalizado atuam em conjunto, envolvendo, segundo Foucault, grandes empresas, meios de comunicação, instituições religiosas e jurídicas, entre outras.

Desta forma, este é o grande mérito do filme “O estado das coisas”, ao colocar na tela do cinema um personagem confuso e angustiado, refletindo os grandes dilemas da era moderna, uma realidade facilmente percebida na vida de muitas pessoas e nas nossas, o que é pertubador.

Nunca se pergunta: você é feliz? Pergunta-se sempre se a pessoa estuda em uma escola ou universidade de renome, se formou em uma profissão (normalmente aquelas reconhecidas como de status social) ou se adquiriu o mais novo carro do ano ou o último modelo de celular.

Assim caminha a humanidade, esperamos que a arte também continue a caminhar, como testemunha do nosso tempo, numa perspectiva humana e crítica.

Erivan Santana (professor, escritor e poeta)
Crônica publicada no jornal A Tarde, Salvador, 21/11/2018

Veja também:

TEMPO É DINHEIRO

TEMPOS SOMBRIOS: INSTANTÂNEOS DA REALIDADE

 

A “Anaconda” do desmatamento em Porto Seguro

Por Daniel Rocha

Em 2009 os moradores da zona rural do distrito de Pindorama, Porto Seguro,BA, ficaram assustados com os relatos da aparição de uma Jiboia que foi comparada “pelos moradores mais exagerados” com a cobra do filme Anaconda. O desmatamento histórico da Mata Atlântica pode ser considerado uma das causas da migração do animal para o lugar.

De acordo com reportagem do extinto site local “Bahia Dia Dia” publicado no dia 27 Abril 2009, o boato de que uma cobra de grande proporção circulava pelo distrito de Pindorama, município de Porto Seguro na Bahia, assustou por dias os moradores  agitados pela possibilidade de serem atacado por uma serpente semelhante a do filme “Anaconda”, produção norte-americana, de 1997, exibido com frequência na TV.

Contudo, toda agitação do distrito chegou ao fim na manhã do dia 24 de Abril, domingo, quando o morador Hélio de Jesus Oliveira e um amigo identificado como Aldair, gerente de uma fazenda, avistaram a Jiboia colossal na estrada que liga Pindorama a cidade de Cabrália.

Segundo a reportagem os dois homens com a ajuda de outros trabalhadores presentes no local conseguiram imobilizar a jiboia de 2,80 m e cerca de 20 quilos e levar para um lugar seguro na casa de Hélio, ex – funcionário da Reserva Ecológica Vera Cruz .

Conforme a notícia, Hélio levou o animal para sua casa visando protegê-la do seu mais perigoso predador, “o homem que a mata para comer”, a mesma apresentava marcas de atropelamento. O animal foi entregue um dia depois para o IBAMA.

Durante o período que ficou hospedada na residência do Hélio a cobra, que em nada lembrava a do filme, recebeu a visita de curiosas e assustadas crianças da redondeza.

O texto não se arrisca dizer qual o motivo levou o animal a circular pela comunidade, mas é possível supor que tem relação com o desmatamento intenso da região que ocorre desde os tempos coloniais quando os portugueses invadiram a terra nativa para extrair o Pau-Brasil.

Convém dizer que, embora a retirada seletiva da madeira vem sendo praticada há mais de 500 anos no Brasil, na Bahia ela se tornou especialmente intensa nos últimos 30 anos. Particularmente com a mudança de companhias madeireiras para ao sul da Bahia, vindas do devastado norte do Espírito Santo no início da década de 1970.

Desmatamento que ainda segue intenso no presente, tanto que devido a extração criminosa no sul do Estado, a Bahia foi considerada a campeã nacional de desmatamento da vegetação atlântica entre 2015 e 2016.

Vegetação que é o lar de muitos animais que obrigados a migrar para áreas urbanas, tal como vem ocorrendo em áreas residenciais da cidade de Teixeira de Freitas que tem registrado aparições de cobras como a de Pindorama, se tornam indefesos diante da ação do seu maior predador, o bicho homem.

Fontes:

Região do descobrimento e a campeã de desmatamento, mostra relatório. Eduardo Geraque. 29/05/2017. www1.folha.uol.com.br/Meioambiente. Acessado em 30/05/18.

Cobra jibóia de quase três metros é encontrada em Pindorama. Messias Web. Segunda 27 Abril 2009. bahiadiadia.com.br. Acessado em 30/05/18. Arquivado 30/05/2009. Disponível no Acervo Particular do Site Tirabanha.

Mesquita,  Rede de ONGs da Mata Atlântica, 2001.

Daniel Rocha
Historiador graduado  e Pós-graduando em História, Cultura e Sociedade pela UNEB-X.

 

 

Teixeira de Freitas – Manifestações na cidade

Por Daniel Rocha

Centenas de mulheres tomaram a principal avenida da cidade de Teixeira de Freitas, extremo sul da Bahia, na manhã do último sábado, 29/09, para protestar contra o candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL). A caminhada findou às 10 horas no lugar de onde partiu, Praça da Prefeitura, às 08hs. 

O movimento “Ele não” começou com um grupo no Facebook e mobilizou diversas mulheres de várias cidades do país que atenderam o chamado e tomaram as ruas de cidades como Teixeira de Freitas onde a passeata organizada pelo Coletivo Feminista das Margaridas ocupou uma das principais avenidas do centro comercial, Avenida Marechal Castelo Branco.

Durante a passagem as palavras “Ele Não” eram vistas em faixas e entoadas pela multidão formada por mulheres e homens de diversos movimentos sociais e estudantes de escolas regulares e das universidades, UFSB e UNEB, que repudiavam,como todos, o candidato pedindo respeito aos direitos das mulheres e das minorias.

Ainda na cidade um grupo de apoiadores ao candidato Jair Bolsonaro ligados ao movimento “Ele sim” realizaram panfletagem em frente ao antigo fórum no mesmo período da manifestação do grupo contrário. O manifesto a favor, “Ele Sim”, também foi convocado pelas redes sociais e reuniu dezenas de militantes e simpatizantes.  Não  há relatos de incidentes registrados.

Anos 1990 em Teixeira de Freitas: A garota mais bonita da cidade

Por Daniel Rocha
Durante os anos de 1980 e início dos anos de 1990 ser agraciada com um título de beleza, como o de Miss, supostamente, aumentava a esperança de qualquer garota conseguir destaque em capas de revista e jornais que reforçavam o discurso que a beleza era um passaporte para o sucesso e uma boa posição social. 
Nessa época, no extremo sul da Bahia, concursos de beleza eram realizados em todos os lugares e cidades da região. Havia concursos para  a escolha da Miss escola, Miss da cidade, da Rainha do Milho, do Carnaval, da Gincana e da Garota Carinho, dentro outros.  
Em janeiro de 1986, por exemplo, destacou o Jornal A tarde, que a cidade de Itamaraju organizou e elegeu sua garota Carinho Veruscka Carneiro como a mais bela entre as concorrentes. Além da faixa de primeiro lugar a vencedora também conquistou o direito de participar de uma etapa regional na cidade de Itabuna. 
 Embora sem muitas fontes escritas sobre, estima-se que em Teixeira de Freitas os concursos de beleza também foram constantes nas referidas décadas. De maneira que em 1991 uma de suas cidadãs, Isolda Vasconcelos , conquistou o título de Miss estadual. 
Nascida na cidade Isolda Vasconcelos alcançou o posto de figura mais popular da cidade depois de ter conquistado, com apenas 12 anos, o concurso de Miss Estudantil em 1985 e o título de Miss Bahia em 1991.
De família de classe média a modelo representava os ideais e o tipo de mulher que toda garota deveria ser. A prova da sua popularidade é que ao publicar uma entrevista com a modelo em  Março de 1992, por exemplo, a revista local Regional Sul destacou: “atendendo às inúmeras solicitações de nossos leitores. Fizemos uma entrevista com a Bela Isolda”.  
Ocorre que ao analisar a entrevista publicada na revista fica evidente, a meu ver, que a modelo não reforçou os conceitos vigentes sobre estética, sucesso e fama que levava milhares de meninas aos concursos de beleza e sonhar com uma liberdade subsidiada pela fama.  

 

capture-20171104-182135

                         Isolda em um Show de calouros

Por exemplo, ao ser interrogada sobre o que pensava em relação à carreira de modelo no Brasil a Miss que já havia passado a faixa em fevereiro daquele ano, respondeu. 
 “Infelizmente no nosso país a profissão não está sendo considerada, digo isso pelo alto índice de prostituição que existe no meio, hoje em dia para se ter um bom desempenho é preciso que se submeta às certas coisas, isso me deixa um pouco decepcionada”. 
 Ao ser indagada sobre o futuro e ambições profissionais afirmou, brevemente, expressando  liberdade : “pretendo estudar muito fazer faculdade de economia.”  
Reforçando suas perspectivas, quando quis saber a revista qual conselho teria para dar as garotas que sonhavam em ser uma modelo conhecida, frisou.
“Que estudem muito e se preparem não para viverem num mundo de sonhos, mas sim, para serem, fortes e dignas dentro da profissão.” 
 De acordo com as minhas interpretações para os fatos e a contextualização dos mesmos a postura da Miss, durante a entrevista, de não glamourizar os discursos existentes sobre a profissão de modelo, foi de contra os estereótipos de mulher que não existia, e não existe, na vida cotidiana. 
 
Postura bem-vinda em uma sociedade onde as mulheres, filhas de trabalhadores e trabalhadoras, privadas pela oferta insuficiente de vagas nas unidades de ensino técnico e superior, começavam a ter como maior preocupação a inserção no mercado de trabalho pela competência e estudo e não pela beleza.  
Fontes  e Referências bibliográficas:
Del Priore, Mary. Histórias íntimas: sexualidade e erotismo na história do Brasil. São Paulo; Planeta. 2011.
Revista Regional Sul. Teixeira de Freitas – Bahia. Março de 1992.Lima. Evandro. 
Festa Elegeu  Garota Carinho.  Os melhores momentos de um reporter. Salvador; Jotanesi. 1990Isolda participa de programa de rádio. 
Foto publicada por Cley Brito no Museu Virtual de Teixeira de FreitasFoto Teixeira de Freitas Inicio da década de 1990. Acervo Departametno de Cultura 2016.

Voltamos em breve!

Obrigado por ter visitado o site tirabanha.com.br  durante o ano de 2017. Estamos nos esforçando o máximo possível para melhorar o nosso  site e conteúdo disponibilizado. Em 2018 o tirabanha vai continuar a crescer, tanto o quanto possível esperamos, para seguir destacando o cotidiano, a história e a cultura de Teixeira de Freitas e d e todo o  extremo sul da Bahia. Vamos dar uma pausa para recarregar as energias e voltar com novidades no dia 20 de janeiro de 2018.

Boas Festas! Feliz Ano Novo!

 

Por dentro da ocupação da UFSB

 

Por Monalisa Santos*

No dia 26 de Outubro de 2016, ocorreu na Universidade Federal do Sul da Bahia, assembleia do corpo estudantil entre os campi de Teixeira de Freitas, Itabuna e Porto Seguro para decidir acerca da ocupação ou não das instalações da universidade, como forma de protestar contra a Proposta de Emenda a Constituição – PEC 241, que atualmente tramita no Senado Federal como PEC 55.

A PEC 241, também apelidada de “lei do teto”, “PEC da morte”, entre outras nomeações, foi apresentada pela equipe econômica do atual governo Michel Temer.

Em suma, ela prevê limitar despesas com saúde, educação, assistência social e previdência pelos próximos 20 anos. Os gastos não poderão ficar acima da inflação do ano anterior.

Para a comunidade acadêmica, não só da nossa instituição, mais de outras universidades federais, institutos federais e escolas secundaristas. A PEC 241 se mostra como um atentado a toda uma série de conquistas  de toda a população brasileira.

 

Desde o dia 27 de Outubro de 2016 estamos ocupando a nossa universidade. O nosso cotidiano se inicia às 07:00 horas da manhã e é seguindo de momentos de discussão, onde avaliamos em conjunto o andamento da nossa movimentação, o que permanece e o que deve se transformar; discussão sobre a programação do dia seguinte, rodas de conversa para que todos compreendam quais as implicações da PEC 241 em nossas vidas; organização de equipes de limpeza,  alimentação, entre outras e por fim, momentos culturais.

Convidamos toda a população de Teixeira de Freitas para nos fazer uma visita, e compreender com seus próprios olhos do que se trata de fato o nosso movimento.

Estamos em atividade no horário de 09:00 horas da manhã até 22:00 da noite. Aceitamos doações de alimentos, produtos de limpeza, panelas entre outras coisas que facilitem a nossa convivência no campus.

*Discente da Universidade Federal do Sul da Bahia – UFSB.

A nova onda dos ouvintes de Rádio

Por Daniel Rocha

No presente, a nova onda dos ouvintes de rádio da cidade é sintonizar via celular suas estações preferidas de rádio enquanto trabalha, cuida da família ou troca mensagens via redes sociais com amigos.

Atentos a esse fato os locutores de rádio das emissoras locais vem abrindo cada vez mais espaço para a informação concomitante, participação do público através das plataformas  de fedback como Whatsapp, Facebook  em seus programas.

Garante o radialista André Santos, apresentador do programa Café Sertanejo que vai ao ar  de segunda à sexta, às 06hs da manhã na FM 100.4 Rádio Sucesso. André se destaca pelo bom humor e interatividade com o público e gosta de  falar sobre os novos desafios da profissão.

Para ele a inclusão das redes sociais  de fato assegura  programas dinâmicos e interativos. Porém, acredita, é preciso mais do que as redes sociais para  fidelizar o público.

“Todo locutor tem que saber  estabelecer identificação com o público…  tocar o ser do ouvinte, seja através de uma boa conversa ou  de uma programação diversificada… Não é só falar ao microfone ou acrescentar redes sociais… Tem que ter sensibilidade, saber ouvir, motivar, transmitir carinho, informações e prosear com ética.”

A ouvinte Maria Almeida, 65 anos, doméstica aposentada, moradora do centro da cidade, natural do distrito de Massaranduba/ Vereda, concorda com a fala de André Santos.

Pelos critérios próprios  define que “a boa prosa” conta na hora de escolha do programa que vai sintonizar.  Ela que se intitula “Piolha de Rádio” conta que pela manhã a televisão não tem vez na sua agenda, gosta de ouvir estações que priorizam a música, notícias e a participação do público. Sublinha que por essa razão não tem um programa ou um locutor preferido.

“Gosto de ficar trocando de estações até parar em uma música ou programa, sou diferente dos meus netos, 10 e 12 anos, evangélicos. Eles chegam aqui e pedem para sintonizar o programa de rádio da igreja. Aprendi a gostar de ouvir este estilo de música, evangélica, com eles.”

Apesar de ter um aparelho de som e dois de rádio na casa, realça que recentemente tem utilizado mais o celular para ouvir as programações “porque posso levar para todos os lugares enquanto arrumo a casa, lavo roupa ou cozinho”.

A dona de casa, Eliene Silva, 32 anos, moradora do bairro Wilson Brito, também  utiliza celular na hora de ouvir os programas de notícias que tanto gosta transmitidos na hora do almoço.

Revela gostar de programas interativos que envolvem, ou incentivam a  participação do público e de ouvir informações “fresquinhas” sobre os bairros da cidade enquanto almoça e cuida dos filhos menores.

Segundo conta, o hábito de ouvir programas de rádio foi adquirido no estado vizinho, Espírito Santo, onde cresceu.  “Eu nasci aqui em Teixeira de Freitas mas fui criada na Serra, Espírito Santo. Os capixabas gostam muito de ouvir rádio… Aprendi com eles. Hoje escuto mais pelo celular porque não tenho aparelho de rádio e nem pretendo ter porque com o celular eu escuto e faço outras coisas.”

Já a estudante de fisioterapia Danielle Santos Pinheiro, 23 anos, é adepta das redes sociais. O curioso é que ela não perde a transmissão ao vivo da missa da misericórdia toda sexta-feira direto da Igreja São José Operário no aparelho de rádio usual enquanto almoça. “Só vou trabalhar depois de ouvir a homilia”.

Mesmo assim não se considera uma ouvinte fiel das transmissões tradicionais porque nos últimos anos têm recorrido ao Smartphone e a internet na hora de ouvir suas músicas preferidas enquanto estuda, trabalha e interage com os amigos da faculdade.

“Gosto de ouvir música ultimamente utilizo mais pelas redes sociais para ouvir minhas canções favoritas.”

Diante do exposto fica claro que na onda da portabilidade vai conquistar o ouvinte o locutor que souber dialogar, emocionar e interagir com os sufistas da nova onda. Ouvintes que adora acompanhar a prosa da “Rádia” enquanto estuda, trabalha, interage ou realizam trabalhos domiciliares.

 

Fique Por Dentro

 

Tem crescido na cidade o número de emissoras online, com transmissão feita exclusivamente via internet através da tecnologia (Streaming) serviço de transmissão de áudio/som em tempo real.

 São elas, Rádio Web Diocesana,  Benaia,  Acesse a vida e a mais nova na praça a Web Regional do locutor Amadeus Ferreira que oferta uma programação variada com espaço para o esporte na grade. Acesse e conheça.

Teixeira vai ganhar nos próximos meses sua primeira estação pública de rádio, trata-se da Rádio Câmara FM 90,9, a primeira do nordeste afiliada a Rede legislativa de rádio e Televisão.

A vinda da estação para cidade se deu graças graças a esforços pessoais e de  figuras da política local e federal como deputado Jorge Solla cujo trabalho é reconhecido nacionalmente. Conheça.

 

 

O LIXO EM TEIXEIRA DE FREITAS: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA EM QUESTÃO

 

 

Por Daniel Rocha

Os problemas urbanos como o trânsito, a violência e a produção e destinação do lixo são comuns nas cidades com expressivo desenvolvimento. Nesse sentido, Teixeira de Freitas não se configura, ainda, como uma exceção.

Aqui, a questão do lixo e de resíduos se apresenta como um problema que tem incomodado a população teixeirense.

Andando pela cidade nos últimos dias, foi possível notar que as ruas e os espaços onde passam córregos, já poluídos por esgotos, estão prejudicados pelo excesso de lixo, o que atrai animais indesejáveis com urubus e ratos.

A ocorrência disso se deve a diferentes fatores como: a falta da conscientização da população durante o descarte e a falta de inovação no serviço de coleta que funciona regularmente na zona urbana.

Mas se há coleta regular, o quê está acontecendo?

Para Ailton Agente de Saúde, que concorreu ao cargo de vereador pelo partido ambientalista REDE sustentabilidade, falta consciência e inovação.

Para ele, a primeira coisa a considerar quando se analisa o problema dos resíduos em Teixeira de Freitas ou em qualquer outro lugar é a origem.Nesse sentido, é fundamental saber a quem pertenciam os resíduos antes da sua eliminação.

Segundo Ailton Agente de Saúde, “todas as coisas que usamos e, em seguida, descartamos como, por exemplo, garrafas, caixas, latas de alumínio, etc. são comprados e eliminados por nós. Logo, somos também, por eles, responsáveis.”

Do ponto de vista do ex – candidato do partido ambiental, a solução do problema está na implantação de uma coleta seletiva que funcione de verdade.

Porque tanto o problema do lixo quanto a coleta seletiva só funcionarão se implantados e se cada cidadão(ã) assumir o compromisso de fazê-los.

“ Não é suficiente, apenas, a criação de leis, a aplicação de multas ou, tão somente, colocar lixeiras coloridas nas ruas. Antes de tudo, é preciso pensar além.”

Pensar além, para Ailton Agente de Saúde, é criar regras específicas e conscientizar a população de que é preciso pôr em prática a “lei dos três erres” que se fundamente em Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

Aguardamos que na próxima legislatura, o problema do resíduo seja encarado pela população e por todos os legisladores com mais atenção para que, então, deixe de ser um problema ambiental existente em Teixeira de Freitas.